Mercados

Ações da Hewlett Packard recuam 6% após saída de Whitman

Uma das executivas de maior relevância nos Estados Unidos, Whitman disse na terça-feira que deixará a presidência da HPE em fevereiro

HPE: o anúncio da saída da executiva pegou analistas desprevenidos (Hewlett Packard Enterprise/Reprodução)

HPE: o anúncio da saída da executiva pegou analistas desprevenidos (Hewlett Packard Enterprise/Reprodução)

R

Reuters

Publicado em 22 de novembro de 2017 às 19h43.

BAngalore- As ações da Hewlett Packard Enterprise caíram 6 por cento nesta quarta-feira após a decisão da presidente-executiva Meg Whitman de deixar o cargo, surpreendendo Wall Street.

Uma das executivas de maior relevância nos Estados Unidos, Whitman disse na terça-feira que deixará a presidência da HPE em fevereiro e entregará o posto ao veterano da empresa Antonio Neri.

Depois de notícias indicarem que ela estava sendo considerada para administrar o serviço de transporte urbano por aplicativo Uber, Whitman reforçou em julho sua dedicação no comando da HPE, afirmando que estava totalmente comprometida com a companhia e que planejava permanecer como presidente-executiva.

Mas o anúncio da saída da executiva pegou analistas desprevenidos. A HPE está no meio de uma reestruturação para reduzir custos, investir em pesquisa e se concentrar em negócios de alta margem de lucro. A área principal de servidores tem enfrentado dificuldades em um momento em que clientes compram cada vez mais servidores sem marca mais baratos.

"Estamos surpresos com o momento da transição de presidente, dado o comentário no recente dia do analista, que parece indicar que uma transição de presidente não tenha sido realizada", disse Tim Long, analista da BMO Capital Markets.

Entretanto, o analista da BMO Capital Markets, Tim Long, disse em nota que, por muito tempo, a experiência de Neri na gestão do Enterprise Group da HPE o tornou nome forte para o papel de presidente-executivo.

Analistas do Barclays e do Morgan Stanley esperam que Neri mude a estratégia da HPE e passe a desenvolver agressivamente tecnologia em casa, em vez de se concentrar em fusões.

Desde que se separou da Hewlett-Packard no final de 2015, a HPE gastou bilhões de dólares comprando empresas fornecedoras de software para computação em nuvem e armazenagem de dados.

Acompanhe tudo sobre:BancosEstados Unidos (EUA)ExecutivosHP

Mais de Mercados

Lucro da Tesla recua 48% no 1º tri, mas expectativa por carros mais acessíveis anima investidor

Fleury (FLRY3) sobe forte na bolsa e analistas questionam se mais aquisições virão

Spotify revela lucro trimestral recorde em meio a ano ruim

Lucro da Usiminas (USIM5) cai forte após balanço e ação cai 14%

Mais na Exame