Mercados

Ação da SulAmérica avança quase 6% após oferta da Allianz

Grupo alemão quer adquirir a operação de automóveis e ramos elementares da seguradora.

IBOVESPA: índice já havia caído 1,34% ontem com prisão do ex-presidente Michel Temer  / REUTERS/Paulo Whitaker (Paulo Whitaker/Reuters)

IBOVESPA: índice já havia caído 1,34% ontem com prisão do ex-presidente Michel Temer / REUTERS/Paulo Whitaker (Paulo Whitaker/Reuters)

TL

Tais Laporta

Publicado em 2 de julho de 2019 às 16h20.

Última atualização em 2 de julho de 2019 às 16h52.

Os papéis da seguradora SulAmérica subiam quase 6% na tarde desta terça-feira (2), após a companhia informar mais cedo que recebeu oferta do grupo segurador alemão Allianz por parte de seu negócio. O valor não foi divulgado.

Às 16h15, as units (classe de ações) da SulAmérica avançavam 5,59%, cotadas a 39,63 reais. Os papéis não estão listados no Ibovespa, que mostrava perda de mais de 1% no mesmo horário.

A SulAmérica informou que recebeu da Allianz "uma oferta indicativa e não vinculante para a aquisição de sua operação de automóveis e ramos elementares", segundo comunicado ao mercado.

"Com isso, está em discussões bilaterais com a Allianz sobre eventual transação que poderia resultar na concentração de suas operações nos segmentos de saúde, odontologia, vida, previdência e gestão de ativos", acrescentou a Sul América.

Diversificação ou foco em saúde

A equipe de research da XP escreveu em relatório que a oferta proporciona à SulAmérica a opção de escolher entre diversificação ou um foco maior em seu principal negócio, o de saúde. "A decisão de desinvestir deve ser baseada deste ponto de vista estratégico e, claro, no preço que a Allianz estaria disposta a pagar".

Acompanhe tudo sobre:AçõesAllianzB3

Mais de Mercados

Ibovespa opera em alta mesmo com aversão ao risco exterior e piora das perspectivas pelo BC

Bolsas na Europa caem com “Brexit” de Macron; entenda

Boletim Focus, decisão do Fed, IPCA e CPI, Haddad e Magda Chambriard: o que move o mercado

Trabalhadores protestam contra possível entrada da Shein na Bolsa de Londres

Mais na Exame