Mercados

A empresa que mais deve ganhar com a reforma tributária de Trump

De acordo com o Credit Suisse, repatriação de recursos deve beneficiar empresa de tecnologia que mantém mais de 60 bilhões de dólares fora dos EUA

Cisco: repatriação pode aumentar dividendos aos acionistas (Thinkstock/Thinkstock)

Cisco: repatriação pode aumentar dividendos aos acionistas (Thinkstock/Thinkstock)

Rita Azevedo

Rita Azevedo

Publicado em 27 de abril de 2017 às 15h01.

Última atualização em 27 de abril de 2017 às 15h05.

São Paulo — A Cisco Systems deve ser uma das grandes beneficiadas da reforma tributária anunciada nesta semana por Donald Trump. É pelo menos nisso que os analistas do Credit Suisse acreditam.

Em nota enviada aos clientes, nesta quinta-feira, o banco elevou a recomendação das ações da companhia de TI de undeperform para outperform e o preço-alvo de 27 dólares para 40 dólares.

Ontem, dois dos principais nomes do governo Trump apresentaram uma proposta de reforma que inclui, além do "maior corte de impostos da história americana", um projeto de repatriação de recursos. A ideia é que o projeto saia do papel ainda neste ano.

"Em um cenário de reforma tributária, acreditamos que a Cisco tem a capacidade de acelerar sua transição para uma companhia de tecnologia da informação mais diversificada", diz o analista Kulbinder Garcha, conforme relata o site CNBC. 

De acordo com Garcha, a Cisco tem 62 bilhões de dólares em dinheiro fora dos Estados Unidos que podem voltar ao país se os planos tributários de Trump forem aprovados. Ele estima que a Cisco possa devolver 30 bilhões de dólares aos acionistas durante os próximos cinco anos e usar outros 20 bilhões de dólares para fusões e aquisições "transformadoras".

 

 

Acompanhe tudo sobre:AçõesCiscoCredit Suisseempresas-de-tecnologia

Mais de Mercados

Ibovespa opera em alta de mais de 1% de olho em índices econômicos e Magazine Luiza (MGLU3)

Smart Fit (SMFT3) confirma intenção de compra da academia Velocity

Ata do Copom, Boletim Focus e IPCA-15: o que move o mercado

Como esta gestora brasileira surfou onda das bolsas americanas e rendeu 400% em 5 anos

Mais na Exame