‘Mude o código, não o clima’: Greenpeace quer extinguir mineração de bitcoin em projeto de US$1 mi

Após atualização da Ethereum abandonar mineração no 2º maior blockchain do mundo e gerar economia de até 99,9% em energia, grupos ambientalistas querem que o mesmo seja feito para o bitcoin, principal criptomoeda
Bitcoin valida suas transações por meio da mineração (Liliya Filakhtova/Getty Images)
Bitcoin valida suas transações por meio da mineração (Liliya Filakhtova/Getty Images)
M
Mariana Maria SilvaPublicado em 19/09/2022 às 16:11.

Na última semana foi concluída a “The Merge”, uma das atualizações mais importantes da Ethereum, 2º maior blockchain do mundo. Abandonando a mineração, estima-se que a rede possa economizar até 99,9% de energia elétrica. Em busca da defesa do meio ambiente, grupos como o Greenpeace e o Environmental Working Group agora pressionam a comunidade do bitcoin para fazer o mesmo na rede que abriga a maior criptomoeda do mundo.

Chamado de “Mude o Código, não o clima”, o projeto foi criado no início do ano e foca em anúncios online e abaixo-assinados para convencer a comunidade cripto a realizar uma mudança no código do blockchain do Bitcoin. O investimento do projeto pode chegar a US$ 1 milhão.

(Mynt/Divulgação)

A mesma mudança foi realizada na rede Ethereum na última semana. Por meio de uma “fusão” entre duas redes, desenvolvedores foram capazes de modificar com sucesso a forma como as transações são validadas. Ao invés da mineração, a rede adotou a prova de participação (PoS), que seleciona seus validadores por meio da quantidade de criptomoedas com movimentação bloqueada em um processo chamado de staking.

Com isso, o poder computacional e máquinas específicas não são mais necessárias para validar transações, e a economia no consumo de energia elétrica pode chegar a 99,9%. Isso é muito importante para grandes blockchains como a Ethereum, já que o consumo de energia pode chegar a ser equivalente ao de pequenos países.

“A ‘fusão’ energeticamente eficiente do Ethereum deixa o Bitcoin como o único poluidor climático de mercado de criptomoedas“, escreveu a Environmental Working Group (EWG), uma organização de defesa do meio ambiente, em um comunicado.

Além de grupos ambientalistas, a mineração recebe críticas de muitos membros do universo cripto e de governos. No início do mês, a Casa Branca chegou a se posicionar contra o modelo.

A “Mude o código, não o clima” é uma iniciativa do Greenpeace dos Estados Unidos em parceria com o Environmental Working Group e Chris Larsen. Cofundador da Ripple.

Em seu comunicado, Michael Brune, diretor da campanha, fez uma analogia da mineração de criptomoedas com as queimadas e desmatamentos em níveis globais para endossar o feito pela comunidade Ethereum.

“A Ethereum mostrou que é possível mudar para um protocolo de eficiência energética com muito menos poluição do clima, do ar e da água. Outros protocolos de criptomoedas operam em mecanismos de consenso eficientes há anos. O Bitcoin se tornou o ponto fora da curva, recusando-se, de maneira desafiadora, a aceitar sua responsabilidade climática”, disse Brune.

“Muitas criptomoedas usam um protocolo altamente eficiente em termos de energia – com uma mudança em seu código, o Bitcoin também pode. Mas precisamos que as empresas e pessoas que trabalham com Bitcoin se juntem a nós para promover essa mudança”, diz um outro trecho da petição.

A partir dos recursos de US$ 1 milhão, além dos anúncios online, a iniciativa criou uma petição para que a Fidelity Investments, quarta maior gestora de ativos do mundo, ajude a pressionar o Bitcoin a mudar para a prova de participação.

Entre os 10 maiores blockchains em valor de mercado, apenas Bitcoin e Dogecoin ainda utilizam a mineração para validar suas transações, de acordo com dados do CoinMarketCap.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok