Future of Money

Mineradores de bitcoin lucram US$ 184 milhões no 2º trimestre, superando todo o ano de 2022

Mineradores de bitcoin tiveram um dos trimestres mais lucrativos em quase dois anos, ganhando dinheiro através das taxas de transação da rede

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 6 de julho de 2023 às 11h02.

Os mineradores de bitcoin lucaram US$ 184 milhões com as taxas de transação no segundo trimestre de 2023 – um valor muito superior ao que embolsaram durante todo o ano de 2022 – à medida que o preço do bitcoin disparou e os tokens BRC-20 floresceram.

A receita de US$ 184 milhões representa um aumento de mais de 270% em relação ao primeiro trimestre de 2023. O último trimestre também foi o primeiro a ultrapassar a marca de US$ 100 milhões em receitas desde o segundo trimestre de 2021, de acordo com um relatório publicado em 5 de julho pela plataforma de análise de dados de criptomoedas Coin Metrics.

  • Cansou de tentar falar com alguém da sua Exchange? Conheça a Mynt, a única no Brasil com atendimento 24 horas e todos os dias, feito por pessoas reais. Abra agora sua conta.

Os mineradores de bitcoin recebem taxas de transação sempre que um novo bloco é validado – o valor é determinado pelo volume de dados e pela demanda dos usuários por espaço em bloco.

A Coin Metrics disse que o salto no recolhimento das taxas foi causado pelo recente aumento do preço do bitcoin, que reforçou as "receitas de primeira linha" e o advento dos tokens BRC-20 – um novo padrão de token introduzido na rede do bitcoin em março para para permitir a cunhagem e a transferência de tokens fungíveis como inscrições do protocolo Ordinals – acrescentando:

"O novo padrão de token desbloqueia casos de uso experimentais para os principais tipos de transação do bitcoin e acelera o impulso para esclar o bitcoin com a Lightning Network."

No entanto, vale a pena observar que as taxas de transação representaram apenas 7,7% da receita total de US$ 2,4 bilhões obtida pelos mineradores durante o segundo trimestre deste ano.

O restante veio das recompensas de blocos de bitcoin. Atualmente, os mineradores são recompensados com 6,25 BTC pela resolução de cada bloco. Esse valor deverá cair para 3,125 BTC após o próximo halving, que deverá ocorrer por volta de maio de 2024.

Os mineradores de bitcoin também tiveram outros motivos para comemorar no segundo trimestre, de acordo com a empresa.

Em maio, o setor de mineração de bitcoin "obteve uma vitória" ao impedir a implementação de um imposto sobre a energia gasta na mineração de ativos digitais proposto pelo governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Os mineradores de bitcoin também desfrutaram de condições macroeconômicas mais favoráveis no segundo trimestre, com "pressões inflacionárias em arrefecimento", que se traduziram em preços mais baixos no custo da eletricidade para mineradores sediados nos EUA, observou a Coin Metrics.

No entanto, a taxa de hash do bitcoin continuou a atingir novas máximas históricas nos últimos 12 meses, fazendo com que a concorrência no mercado de taxas de mineração se torne cada vez mais acirrada, explicou a Coin Metrics:

"A concorrência continua acirrada como sempre. A taxa de hash do bitcoin atingindo novos patamares durante o trimestre, com 375 EH/s [...] A eficiência geral da rede continua a aumentar com a adoção de ASICs modernos, como o S19 XP."

Cansou de tentar falar com alguém da sua Exchange? Conheça a Mynt, a única no Brasil com atendimento 24 horas e todos os dias, feito por pessoas reais. Abra agora sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:Mineração de bitcoinBitcoinCriptomoedas

Mais de Future of Money

Presidente de El Salvador quer criar "Banco Bitcoin" para investidores

Ton, blockchain ligado ao Telegram, bate recorde e chega a R$ 3 bilhões em investimentos

Investidores de criptomoedas deveriam estar em pânico, diz fundador de fundo

Binance é acusada de racismo por publicação nas redes sociais e culpa estagiário

Mais na Exame