Acompanhe:

O Banco Santander anunciou nesta semana que realizou na última terça-feira, 28, a primeira transação bem-sucedida no piloto do Drex - a versão digital do real - com foco em privacidade. A operação contou com o uso da tecnologia Anonymous Zether, uma das escolhidas pelo Banco Central.

De acordo com informações compartilhadas com a EXAME pelo banco, a Anonymous Zether "permite o uso de privacidade no remetente, destinatário e valores". Com isso, foi possível realizar a transferência sem que os outros participantes da rede de testes do Banco Central tivessem acesso aos dados.

O Santander destacou ainda que a transação " marca o início das avaliações de privacidade" no piloto do Drex. Nesta fase, serão avaliados aspectos como programabilidade, prontidão das soluções escolhidas para produção, descentralização da rede e alguns aspectos das soluções, como escala e ser de código aberto.

Além da Anonymous Zether, foram escolhidas outras duas tecnologias de solução de garantia de privacidade: a Starlight e a Parchain. Ambas deverão ser testadas nos próximos meses. No dia seguinte à transação do Santander, o Banco do Brasil realizou de forma bem-sucedida uma transação privada com o Itaú, também com uso da Zether.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Privacidade no Drex

Em um encontro com os participantes do piloto, Clarissa Souza, analista de sistemas do Banco Central, explicou que "a gente inicia agora uma nova fase do piloto, onde a gente começa a estudar e testar soluções de privacidade, que é que a gente se propõe a fazer no âmbito do projeto". Ela destacou que a autarquia não vai criar nenhuma ferramenta própria.

Responsável por coordenador o piloto no Banco Central, Fabio Araújo destacou que a privacidade é "um dos pontos mais críticos do projeto", o que justifica o período mais longo para os testes, de outubro a maio do próximo ano. A data coincide com o fim previsto para o piloto. Ele afirmou ainda que, no momento, a rede já foi capaz de criar contratos inteligentes, mas "sem as soluções de privacidade".

As dificuldades em torno da questão envolvem a exigência legal de proteção de dados pessoais dos usuários do Drex. Por isso, a necessidade de realizar mais testes sobre o tema levaram a um adiamento do fim previsto para o piloto, passando para maio de 2024.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Muitos vão desejar ter entrado no Drex assim como no início do bitcoin, diz executivo da Elo
Future of Money

Muitos vão desejar ter entrado no Drex assim como no início do bitcoin, diz executivo da Elo

Há um dia

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC
seloMercados

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC

Há 2 dias

Recessão nos EUA parece cada vez mais distante, diz ex-diretor do BC
seloMercados

Recessão nos EUA parece cada vez mais distante, diz ex-diretor do BC

Há 3 dias

BC continuará sempre perseguindo inflação de 3%, reitera diretor de Política Econômica
Economia

BC continuará sempre perseguindo inflação de 3%, reitera diretor de Política Econômica

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais