Dinheiro na velocidade do pensamento: como isso moldará o futuro

A velocidade do mundo cripto está criando um ritmo para projetos financeiros coletivos, e isso vai ser realmente impactante

Poucos milissegundos podem impactar de forma vantajosa as transações de instituições financeiras (EDUARD MUZHEVSKYI / SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images)

Poucos milissegundos podem impactar de forma vantajosa as transações de instituições financeiras (EDUARD MUZHEVSKYI / SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images)

Coindesk

Coindesk

Publicado em 26 de dezembro de 2021 às 10h48.

Última atualização em 29 de dezembro de 2021 às 10h47.

Por volta de 2008, uma startup ambiciosa decidiu cavar um túnel de Chicago a Nova York. Seria uma tarefa árdua e cara, com um preço final de 300 milhões de dólares. Mas o túnel moveria cargas espetacularmente valiosas a velocidades sem precedentes, e os clientes pagariam de forma generosa por esse privilégio.

O túnel não era, entretanto, para uma nova rodovia, ou uma linha ferroviária de alta velocidade, ou um gasoduto. Não moveria mercadorias, pessoas ou matérias-primas. Na verdade, uma pessoa alta teria dificuldade em ficar de pé nele.

Em vez disso, o objetivo do túnel era mover apenas uma coisa: dinheiro.

Concluído em 2010, o novo túnel da Spread Networks era o lar de um cabo de fibra ótica que enviava ordens de negociação de Chicago para Nova York 3 milissegundos antes do próximo caminho mais rápido. Por mais marginal que possa parecer, esses 3 milissegundos dariam aos usuários do novo cabo uma vantagem crucial em relação à concorrência.

Os clientes eram então empresas de investimento de “negociação de alta frequência”, cujas estratégias algorítmicas freqüentemente reagiam ao mesmo conjunto de sinais. Uma vantagem de 3 milissegundos significava obter preços melhores nas posições de negociação, repetidamente. Pelo menos em teoria, era uma licença para imprimir dinheiro.

Dez anos depois, estamos entrando em uma era diferente de velocidade monetária. Aproveitando a Internet e a tecnologia blockchain, as criptomoedas podem movimentar dinheiro ao redor do mundo mais rápido do que os sistemas legados bancários e de pagamentos, ao mesmo tempo que fornecem o controle diretamente aos usuários em vez de intermediários. Isso terá um grande número de implicações para o comércio, para a globalização - e, acima de tudo, para o investimento.

O que queremos dizer quando falamos sobre velocidade

Você deve ter notado uma ligeira imprecisão acima: o cabo de fibra ótica da Spread Networks não estava realmente "transferindo dinheiro" entre Chicago e Nova York. Em vez disso, estava transmitindo ordens, e os negociantes que a utilizavam presumivelmente tinham relacionamentos de confiança, linhas de crédito ou outros meios para garantir que tinham o dinheiro para respaldar essas ordens.

Este sistema de duas camadas é como a grande maioria da transmissão de dinheiro funciona agora. Pense no ato de entregar a alguém um cheque em papel. Você está entregando "dinheiro" a alguém? De jeito nenhum. Você está fazendo uma promessa de entregar o dinheiro de sua conta de banco. Quando eles depositarem, o banco deles e o seu trocam uma série bastante complexa de mensagens para confirmar se o dinheiro está disponível.

O dinheiro não vai realmente do livro-razão de um banco para o outro até que o vaivém seja resolvido para a satisfação de todos. Isso pode demorar um bom tempo depois que o cheque for depositado, muito mais depois que você o entregou a um amigo. Uma transferência internacional envolve um nível ainda mais alto de negociação e confirmação antes que uma transação seja verdadeiramente "liquidada".

A primeira onda de serviços de "dinheiro rápido", seja PayPal ou Mastercard, não mudou realmente esse modelo. Em vez disso, esses serviços movimentam amplamente o dinheiro de forma “mais rápida”, criando um jardim murado independente que ajusta apenas um livro-razão interno ou aceitando uma certa quantidade do risco para cobrir o atraso entre a transmissão e a liquidação. Suspeito que seja por isso que você pode ter que pagar uma taxa adicional para enviar dinheiro “mais rápido” com o PayPal, por exemplo. Você não está realmente pagando por um processamento mais rápido - você está pagando uma garantia pelo risco aumentado de liquidação.

Portanto, quando falamos sobre as criptomoedas serem "mais rápidas", não estamos falando exatamente sobre o tipo de velocidade que a Spread Networks estava procurando com seu cabo de fibra ótica. O blockchain do Bitcoin não pode, de forma alguma, enviar dados magicamente mais rápido do que o Mastercard. Em vez disso, a “velocidade” da criptografia está no estágio de liquidação: em vez de um complicado “tête-à-tête” entre bancos que podem ou não confiar uns nos outros, o bitcoin e outras criptomoedas combinam transmissão e liquidação.

É por isso que as criptomoedas são chamadas de "dinheiro digital". Quando você as envia, elas passam diretamente para a posse e controle do destinatário - não há distinção entre transmissão e liquidação. No blockchain do Bitcoin, isso leva 10 minutos e custa menos de 3 dólares.

Apesar das diferenças de back-end, a velocidade das criptomoedas oferece um pouco da mesma agilidade que os investidores de alta frequência buscavam na Spread Networks. Como Michael Casey discutiu, a interoperabilidade de diferentes sistemas de criptografia também está se tornando mais rápida, chegando a um sistema de pagamentos rápidos universalmente interoperável. Isso é possível porque, ao contrário do PayPal, as redes cripto são de acesso aberto - qualquer pessoa pode conectar um serviço a elas, construir seu próprio front-end, o que for.

É difícil imaginar exatamente como isso terá um grande impacto nos pagamentos de varejo. O PayPal e similares funcionam perfeitamente rápido o suficiente para comprar  presentes de Natal, embora a falta de fronteiras dos criptoativos abra algumas novas possibilidades significativas. Uma possível exceção é o modelo de negócios de cartão de crédito, que basicamente depende de endividar os usuários mais pobres em troca da conveniência. Se os serviços cripto amigáveis ​​ao consumidor oferecerem conveniência semelhante sem a escravidão da dívida, pode haver uma grande transformação.

As implicações para as remessas transfronteiriças são mais óbvias, mas não muito interessantes. Usando os trilhos antigos, um serviço como o Western Union cobra taxas malucas para entregar dinheiro a um número seleto de países. Com base nos fundamentos de taxas mais baixas e melhor serviço, o mundo cripto vence essa batalha, embora ainda existam grandes deficiências em conscientização, complexidade e experiência do usuário. Espere mais alguns anos, porém, e não haverá razão para o serviço de remessas da Western Union continuar a existir.

Bem-vindo ao Thunderdome: O futuro assustador do investimento rápido

A diferença entre um cartão de crédito ou pagamento do PayPal e um pagamento cripto, então, não é tão grande se você estiver falando sobre compras. Nas remessas, a vantagem dos criptoativos é basicamente uma atualização direta, sem muitas nuances estranhas.

Mas há um ramo em que a mudança será profunda e estranha e terá muitas consequências inesperadas. A única coisa que você pode fazer com os criptoativos, que não pode ser feita com um Mastercard, PayPal ou Western Union, é enviar e liquidar um investimento considerável do outro lado do mundo para um estranho em 10 minutos. A velocidade de ponta a ponta das criptomoedas abre um ritmo inteiramente novo para projetos financeiros coletivos, e isso será realmente impactante.

Vimos ilustrações dramáticas dessa nova geração de "investimento rápido" nos últimos meses. A Constitution DAO, por exemplo, levantou 40 milhões de dólares em cerca de uma semana para comprar uma cópia rara da Constituição dos EUA. Esse não é exatamente um investimento tradicional, mas considere que, recentemente, há alguns anos, o anúncio de um novo fundo de venture capital de 40 milhões de dólares foi suficiente para estrelar as manchetes tradicionais. E de vez em quando ainda é!

Em um modelo tradicional, esses 40 milhões de dólares são duramente conquistados, envolvendo muitas reuniões suadas e elaboradas apresentações em PowerPoint. Mas aí vem uma gangue de idiotas recém-ricos e eles fazem isso com alguns memes de Nicholas Cage e fita adesiva sem sair de seus porões. O mesmo está acontecendo com os esforços de venture capital no mundo cripto orientados mais tradicionalmente, sejam eles descentralizados ou não.

Tanto no venture capital tradicional quanto no venture capital voltado para cripto, é um ponto comum de conversa que a velocidade em investir esse dinheiro importa mais do que nunca. Se você deseja o retorno de uma startup ou fundador quente, primeiro precisa entrar na sala e enfiar um maço de dinheiro nos bolsos deles. Isso se tornará ainda mais evidente à medida que o processo de arrecadação de dinheiro ficar mais rápido e se aplicará duplamente a projetos de venture capital configurados como organizações autônomas descentralizadas, ou DAOs.

É aqui que começamos a chegar às verdadeiras desvantagens, no entanto. A maior velocidade de arrecadação e alocação de capital parece destinada a pressionar o tipo de tomada de decisão cuidadosa que há muito caracteriza os investimentos de todos os tipos. O sistema financeiro ocidental do pós-guerra foi indiscutivelmente definido pela ascensão do analista, uma espécie de guerreiro matemático do capitalismo. O trabalho do analista é examinar coisas enfadonhas como estoques e margens de lucro e o que uma empresa está realmente fazendo, ou o mercado potencial para uma startup.

O analista mora em algum back office sem janelas de um banco ou fundo de hedge. Mais perto da luz estão os que trazem dinheiro novo para um banco ou fundo, e os corretores que compram e vendem ativos. Tanto a coleta quanto a distribuição de capital sob esses modelos são processos lentos e ponderados, por causa de restrições estruturais e tecnológicas. O analista, você pode argumentar, é um artefato do dinheiro lento.

À medida que o dinheiro fica mais rápido, e especialmente no tipo de ambiente monetário informal em que estamos agora, o analista é cada vez mais deixado de lado. Em seu lugar, as decisões tanto de investidores quanto de alocadores (VCs) serão cada vez mais baseadas no que você pode chamar de “vibes de dinheiro”. O poder dos memes e do discurso da mídia social em impulsionar o investimento na Robinhood ou nas criptomoedas tem sido amplamente observado, mas eles têm sido tratados como esquisitices ou piadas, mesmo na imprensa financeira. A verdade é que eles estão apenas começando e vão definir como as coisas funcionam no futuro de alta velocidade da aglomeração de capital habilitada para os criptoativos.

Para uma pequena elite de investidores e alocadores mais experientes, isso será ótimo. Julgamento rápido não significa, inerentemente, mau julgamento, e alguns investimentos que foram cuidadosamente avaliados pelo analista podem ir à falência antes do que se imagina.

“Se você realmente sabe o que está acontecendo, você nem mesmo precisa saber o que está acontecendo para saber o que está acontecendo”, como disse o pseudônimo Adam Smith no clássico de investimentos “O Jogo do Dinheiro”. “Tudo o que você precisa é de uma massa perceptiva e um QI de 150... e você pode ignorar as manchetes, porque as antecipou meses atrás.”

Isso não mudará conforme o dinheiro acelera. Os grandes vencedores ainda serão os mesmos: plugados, intuitivos, confiantes e bons juízes de caráter.

Mas, em um ambiente de investimento acelerado, os perdedores podem parecer muito diferentes. E se os memes do Tesouro Nacional norte-americano que ajudaram a fazer a Constiturion DAO acontecer fossem, em vez disso, memes sobre como "Vamos começar uma DAO de venture capital no metaverso!" Um meme sedutor sobre um setor (ou apenas um bordão) que está superaquecido no momento atrairia muitos pequenos investidores amadores, especialmente se isso levasse apenas alguns cliques. Essas pessoas não sabem necessariamente a diferença entre o melhor alocador no negócio e o 20º melhor. Eles não sabem muito sobre as nuances dos mercados. Eles não têm o autocontrole emocional que os torna um grande investidor.

Portanto, na maioria das vezes, em um ambiente de dinheiro rápido, eles ficariam destruídos. O investimento se tornaria uma série rápida de exageros e colapsos, e os investidores menos experientes perdem dinheiro muito mais rápido.

Recentemente, vimos uma espécie de prévia de baixa tecnologia disso, a propósito, cortesia de algo chamado de empresa de aquisição de propósito especial, ou SPAC. As SPACs usam o mercado de ações como algo parecido com uma forma de captar recursos de venture capital mais rápido, embora com foco em aquisições em vez de investimento antecipado. As SPACs se concentraram em setores da moda, como carros elétricos, mas acabaram se transformando em investimentos duvidosos que beneficiaram organizadores carismáticos como Chamath Palihapitiyah e Bill Ackman mais do que seus participantes reais.

Uma possível consequência desse ambiente de alta velocidade seria, ironicamente, um papel maior para a reputação e conexões pessoais. Os melhores veículos de investimento continuarão a se basear em conexões pessoais e nas intuições de quem realmente sabe, enquanto os tweets promovidos arrecadam dinheiro-meme dos mais bobos.

Pelo menos em princípio, é por isso que a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) limita os fundos de hedge e os investimentos de VC aos chamados "investidores credenciados". Mas tanto a inovação tecnológica quanto um crescente coro de críticas sugerem que a barragem pode não durar muito mais tempo. (De forma notável, os maiores críticos das regras do investidor credenciado tendem a administrar VC ou fundos de hedge. Vai entender.)

O mesmo problema é ainda mais terrível para nações como a China, que desejam manter o capital dos residentes dentro de suas fronteiras, mesmo que não seja lá que estão os melhores investimentos. Muito mais do que qualquer preocupação com o uso de energia da mineração de prova de trabalho ou os riscos de especulação e golpes, é fácil ver a repressão da China este ano como uma tentativa de prevenir um ambiente onde a fuga de capitais está a apenas alguns cliques. Temos certeza de ver movimentos semelhantes, ou até medidas mais draconianas, à medida que outras economias percebem o que estão enfrentando.

E para ser justo: a fuga de capitais é uma ameaça real até mesmo para economias em desenvolvimento bem administradas. Mas o investimento em cripto pode acabar sendo uma faca de dois gumes nesses casos, porque investimentos atraentes em cantos obscuros do mundo também podem atrair capital com mais facilidade. Isso rima com o caminho para a globalização econômica e integração nos últimos 30 anos, que criou mais riqueza e grandes lucros no mundo em desenvolvimento, mas também mais volatilidade e risco para aqueles que estão na base da escada econômica.

A velocidade acabou sendo uma cesta misturada para os operadores de alta frequência também. Eles ainda são players importantes e representam uma grande porcentagem das negociações de ativos por volume, mas os retornos da estratégia diminuíram na última década. A Spread Networks, empresa privada que construiu aquele túnel de fibra óptica de Chicago a Nova York, também não parece ter lucrado com a velocidade: o túnel estava programado para ser vendido em 2017 por 125 milhões de dólares, muito menos do que o dinheiro gasto nele.

Texto traduzido por Mariana Maria Silva e republicado com autorização da Coindesk

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok

Mais de Future of Money

Halving: agora que o evento já aconteceu, entenda como ele vai continuar impactando o bitcoin

Bitcoin pode ter "verão das finanças descentralizadas" após halving, diz gestora bilionária

Brasileiros investem R$ 28,7 milhões em fundos de cripto e ignoram queda internacional

Mineradores podem trocar bitcoin por inteligência artificial após halving; entenda

Mais na Exame