Visa diz que pretende conectar criptomoedas à sua 'rede de redes'

Empresa afirma que criptomoedas estão se tornando parte importante da transformação digital dos serviços financeiros

A gigante mundial de pagamentos Visa, anunciou que os cartões da empresa associados com bitcoin e criptomoedas têm crescimento contínuo em utilização pelos usuários, segundo um novo relatório produzido pela instituição.

A empresa também destacou seu cronograma para ampliar a integração de sua rede com os criptoativos e que está trabalhando com 50 grandes plataformas de criptomoedas em programas de cartão que facilitam a conversão e o uso de moedas digitais em 70 milhões de estabelecimentos comerciais em todo o mundo.

"Para o futuro, vemos as stablecoins se tornando uma parte importante da grande transformação digital dos serviços financeiros. A Visa está animada para ajudar a moldar e a apoiar esse desenvolvimento.", afirmou a empresa, ao Cointelegraph.

Segundo a empresa, mais de 1 bilhão de dólares em criptoativos foram gastos em cartões Visa no primeiro semestre de 2021. "Na Visa, estamos trabalhando bastante para conectar a criptoeconomia à nossa ‘rede de redes’, estratégia criada para agregar valor a todas as formas de movimentação de fundos, dentro ou fora da rede da Visa", destacou a empresa.

Cronograma de inovação

A empresa compartilhou com o Cointelegraph o seu "roadmap" de intergração da economia tradicional com os criptoativos. Entre as estratégia está a expansão de parcerias com as principais plataformas de moeda digital da atualidade, entre as quais, FTX, Coinbase, Crypto.com e CoinZoom.

"A expertise e a infraestrutura de tesouraria que desenvolvemos ajudaram a consolidar a Visa como a rede preferida das empresas criptonativas. Hoje, um quarto das empresas que participam do Fintech Fast Track, programa de aceleração de fintechs da Visa, está trabalhando para emitir cartões Visa associados a uma plataforma de criptomoeda", afirmou.

Segundo a Visa, essas plataformas estão se diversificando e apostando em novas ferramentas e funcionalidades para atender a uma série de necessidades do consumidor, como contas remuneradas, empréstimos e depósitos diretos: "Nesse contexto, é mais importante do que nunca que todas as instituições financeiras, de todos os tipos, tenham uma estratégia para criptomoedas".

Outra estratégia da empresa é aumentar os programas de recompensa como o "BlockFi Rewards Visa Credit Card", que permitem que os usuários gastem moedas fiduciárias e ganhem recompensas em criptomoedas da mesma forma que outros cartões permitem o acúmulo de milhas aéreas ou pontos em hotéis.

"Ao combinarem o engajamento na criptoeconomia com a utilidade de um cartão Visa padrão, esses programas podem garantir, por muitos anos, a fidelidade de entusiastas das criptomoedas e de quem está começando a usá-las", diz a companhia.

Além disso, a empresa também afirmou que pretende expandir sua integração com plataformas de stablecoins que segundo a Visa são moedas fiduciárias digitias que os desenvolvedores podem usar com tanta facilidade quanto as criptomoedas, com a confiabilidade de reservas lastreadas em moeda fiduciária.

"As stablecoins ganham protagonismo: os mais de 100 bilhões de dólares em stablecoins em circulação e centenas de bilhões convertidos mensalmente em blockchains públicas mostram que as stablecoins estão começando a concretizar a promessa de serem uma “moeda fiduciária digital’",pontuou.

Visa no Brasil

A empresa também destacou seu pioneirismo no Brasil ao trabalhar com empresas como Alter, Zro Bank e Ripio em um modelo de carteira digital com um cartão de débito, que acessa o saldo em reais que foi convertido dos saldos de criptomoedas.

"O Alter faz parte do programa Fast Track da Visa, que agiliza a entrada de players interessados em lançar soluções de pagamento de forma segura e completa via parceiros habilitadores. Já o banco digital Zro Bank lançou em 2020 o primeiro cartão de débito com cashback retroativo em bitcoin. Nos pagamentos a partir de 10 reais no cartão de débito Visa, os correntistas receberão o equivalente a 0,5% do valor na criptomoeda, para utilizar como quiserem", disse.

Enquanto o Alter participa do Fast Track, a fintech Zro Bank participou da terceira edição do Visa Everywhere Initiative da América Latina e Caribe, em 2019. Já a Ripio participou do Programa de Aceleração da Visa em 2020 e foi o destaque do Demo Day daquele ano.

por Cointelegraph Brasil

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também