Future of Money

CEO da Franklin Templeton diz que "todos os ETFs e fundos" serão tokenizados em blockchains

Jenny Johnson destacou que é uma "grande fã de blockchain e da tecnologia", com a realização de experimentos na empresa

CEO da Franklin Templeton aposta em blockchain no mercado financeiro (Reprodução/Reprodução)

CEO da Franklin Templeton aposta em blockchain no mercado financeiro (Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 13 de maio de 2024 às 11h17.

Jenny Johnson, a presidente e CEO da Franklin Templeton, uma empresa financeira com US$ 1,6 trilhão em ativos sob gestão, reiterou recentemente sua posição favorável à tecnologia blockchain durante uma entrevista na 27ª Conferência Global Anual do Milken Institute nos Estados Unidos.

Ao ser questionada sobre como a Franklin Templeton se beneficiou da tokenização, Johnson respondeu que é uma "grande fã de blockchain e da tecnologia". Ela destacou que a empresa tem realizado experimentos para processar registros de contas usando tanto métodos tradicionais quanto a tecnologia no período de seis a oito meses.

De acordo com Johnson, os resultados foram "bastante positivos". “Ficamos surpresos com o quão menos custoso foi realizar isso no blockchain. É uma tecnologia muito eficiente e achamos que vai abrir muitas novas oportunidades de investimento. E, honestamente, eventualmente, acho que ETFs e fundos mútuos estarão todos no blockchain", diz.

Ela atribuiu essa previsão aos “enormes custos” associados à verificação de dados entre sistemas distintos — um problema que o blockchain foi intencionalmente desenhado para resolver. Johnson ainda apontou que as instituições financeiras e partes interessadas ainda precisam verificar dados entre partes externas uma vez que os dados são reconciliados internamente.

“No caso do blockchain,” ela afirmou, “existe apenas uma fonte da verdade". As economias monetárias e temporais podem levar a oportunidades de investimento mais diversificadas, segundo Johnson. Ela citou o caso da cantora Rihanna, que lançou uma série de 300 tokens não-fungíveis (NFTs, na sigla em inglês) que concediam aos seus proprietários uma pequena porcentagem dos royalties de uma das músicas da artista via contratos inteligentes.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Franklin Templeton e cripto

Essa é uma referência que Johnson já fez no passado. Em outubro de 2023, a CEO contou a história da Rihanna durante uma entrevista com a CNBC no programa Delivering Alpha, onde discutiu a tokenização como “securitização feita com esteroides".

Além disso, a Franklin Templeton tem apostado no lançamento de fundos de investimento em criptomoedas. A gestora recebeu a autorização para lançar um ETF de preço à vista de bitcoin em janeiro deste ano nos Estados Unidos. No momento, ela espera uma possível aprovação pela SEC de um ETF de preço à vista de ether.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:TokenizaçãoBlockchain

Mais de Future of Money

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Show com Lauryn Hill e Mano Brown no Allianz Parque lança NFTs comemorativos

Governo da Alemanha conclui vendas de bitcoin e soma R$ 15 bilhões arrecadados

Mais na Exame