ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

WOW! : A prova de que existe vida fora da Terra?

O sinal Wow! recebido em agosto de 1977, pelo radiotelescópio Big Ear nos Estados Unidos, era então usado para apoiar a pesquisa de vida extraterrestre

Cientistas buscam mensagens intergalácticas (//Thinkstock)

Cientistas buscam mensagens intergalácticas (//Thinkstock)

Publicado em 19 de agosto de 2023 às 08h20.

Por Beatriz Franco e Maria Clara Gonçalves

No dia 15 de agosto de 1977, o silêncio que prevalecia no Observatório da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, foi quebrado por um sinal de rádio que vinha da constelação de Sagitário, detectado durante exclusivos 72 segundos pelo Radiotelescópio Big Ear. Na ocasião, a sala de controle estava vazia, eram 22:16h. Felizmente, dois dias depois, o astrônomo responsável pela análise dos dados do observatório, Jerry Ehman, observou uma sequência surpreendente e registrou sua reação instantânea: WOW!

Os dados que causaram a reação de extrema surpresa continha o seguinte fragmento: 6EQUJ5. Essa série não possui nenhuma mensagem secreta como muitos pensam, ela apenas representa a intensidade do sinal emitido. Cada número e letra indica a potência com relação ao ruído de fundo, uma espécie de ruído que permeia todo o Universo.

A escala inicia com o número um, o que significa que o sinal é uma vez mais forte; o valor máximo do número é nove e a gradação segue com as letras, onde o “A” enuncia um sinal de dez a onze vezes mais acentuado que o ruído de fundo. Sendo assim, a informação registrada pelo radiotelescópio é digna de comoção, pois de fato, o sinal emitido era de uma veemência significativa.

O ponto que torna o Sinal WOW! mais curioso é a frequência na qual ele foi emitido. Voltando um pouco no tempo, em 1959, Philip Morrison e Giuseppe Cocconi publicaram um artigo especulando como civilizações inteligentes tentariam contato com outras.

Ao longo do documento, os autores dissertam sobre qual seria a maneira mais lógica para efetivar a comunicação e concluíram que as ondas eletromagnéticas seriam a melhor opção. Contudo, as frequências presentes no espectro eletromagnético podem ser complicadas, devido ao modo como as ondas interagem com a matéria distribuída pelo Cosmos. Os raios cósmicos podem ser absorvidos pela atmosfera dos planetas, além de que eles precisam ser transmitidos em quantidades enormes por sua fonte de energia.

Diante dessa dificuldade, existe uma luz no fim do túnel que pode permitir a irradiação de ondas eletromagnéticas pela vastidão do Universo: a frequência perfeita. Um local minuciosamente determinado no espectro, no qual as ondas não interagem muito com a matéria, permitindo que elas viajem por milhares de anos-luz.

Essa frequência tem valor determinado de 1420,4 MHz (Megahertz), sendo popularmente conhecida como Linha do Hidrogênio, uma vez que é emitida por átomos de Hidrogênio neutro, essencial para a vida como conhecemos. Ademais, essa região do espectro não é bloqueada pelas nuvens de poeira localizadas entre as estrelas.

A frequência registrada no Sinal WOW! foi de 1420,3556 MHz, um valor extremamente próximo da Linha do Hidrogênio. Em 1998, um novo valor foi calculado: 1420,4556 MHz. A nova medida leva em consideração alguns erros na construção do Big Ear. A pequena diferença entre a frequência do sinal e a Linha de Hidrogênio é justificada pelo Blueshift (desvio para o azul), fenômeno que descreve uma ínfima mudança na frequência emitida por uma fonte quando ela está se aproximando do receptor.

A curta duração do sinal, de apenas 72 segundos, está diretamente ligada com a arquitetura do radiotelescópio. O Big Ear possui dois detectores, o que significa que ele é capaz de observar duas regiões do espaço ao mesmo tempo. Além disso, a posição das antenas não é completamente configurável, uma vez que o telescópio é estático; apenas o ângulo de inclinação com relação ao horizonte pode ser ajustado.

O movimento de rotação da Terra permite que o Big Ear observe diferentes regiões do céu. Com isso, a longevidade do sinal pode ser contestada: o instrumento observacional captou apenas 72 segundos, possivelmente porque a região na qual o sinal foi irradiado saiu da área de detecção da antena.

O sinal foi emitido da região do centro da Via Láctea, ao lado da constelação de Sagitário. Como mencionado anteriormente, o Big Ear possui duas antenas, capazes de observar duas regiões distintas do céu. Esse fator trouxe um dilema: não se sabe ao certo de qual região o sinal foi expedido.

Em função disso, os astrônomos buscaram a região que continha mais estrelas parecidas com o Sol, visto que a referência de condições em que a vida pode surgir é dada pela própria humanidade, já que é a única forma de vida conhecida atualmente no Universo. Foram encontradas 66 candidatas. Infelizmente, muitas estrelas não possuem seus dados completamente catalogados, o que resulta numa escassez significativa para prosseguir com a análise.

Com os dados fornecidos, existe uma estrela que possui características extremamente semelhantes às do Sol: a 2 mass 19281982-2640123, localizada a 1801 anos-luz de distância. Sua temperatura é de 5783 K (6056,15 ºC), enquanto a do Sol é de 5772 K (6045 ºC). O seu tamanho é aproximadamente 99% da estrela do Sistema Solar. Com a junção dessas características há uma possibilidade do objeto astronômico estar localizado em uma zona de habitabilidade, de onde vida inteligente poderia enviar alguma mensagem.

 Se 2 mass 19281982-2640123 é a fonte do sinal, levaria séculos para qualquer resposta da Terra chegar até lá na forma de uma onda eletromagnética. Durante esse tempo de pesquisas, cientistas sugerem procurar exoplanetas e tecno-assinaturas – sinais tecnológicos de inteligência – nesse sistema que estrela se encontra, haja vista a proximidade local com a origem do lugar do WOW!.

Com as altas chances de ser o local de onde o sinal WOW! foi enviado e seguindo as indicações para buscar vestígios de inteligência, a empresa Greenbank e o  Allen Telescope Array (ATA) fizeram diversas observações com sua tecnologia de ponta na frequência de 2 GHz (Gigahertz) para procurar um sinal de banda estreita artificial (2,79 Hz/1,91 Hz) com um desvio de frequência pequeno. Nenhum candidato tem assinatura tecnológica, como o sinal WOW! ou outras frequências distinguíveis, foi encontrado.

Segundo vários especialistas, incluindo Jerry Ehman, o Sinal WOW! é o melhor candidato de contato com extraterrestre já registrado. Ainda assim, vale a pena citar a conhecida frase de Carl Sagan: “Afirmações extraordinárias exigem evidências extraordinárias”. Mesmo após 46 anos do acontecido, não existe nenhuma explicação completamente aceita para explicar o fenômeno observado pelo Big Ear.

Em 2017, uma nova teoria que prometia esclarecer o mistério surgiu. Um artigo publicado sugeriu que a detecção feita tinha como fonte nuvens de Hidrogênio que acompanhavam os cometas 266/P Christensen e P/2008 (Gibbs), que estavam na região na qual a impressão astronômica foi captada.

Os corpos celestes eram desconhecidos na época em que o Sinal WOW! foi identificado. Apesar de ser uma boa tese, apresenta alguns desvios. As nuvens de Hidrogênio emitem, por certo, ondas com frequência na faixa da Linha do Hidrogênio. Entretanto, a emanação não é forte o suficiente para elucidar a intensidade do sinal observado.

Outro esclarecimento aponta que o sinal poderia ter sua origem aqui na Terra e, supostamente, teria sido refletido por satélites ou detritos espaciais em órbita. Todavia, a frequência de 1420,4 MHz faz parte do espectro protegido. Desse modo, nenhuma fonte está autorizada a emitir sinais com ondas eletromagnéticas nesta frequência específica.

O fato das hipóteses apresentadas, até este tempo, terem sido refutadas não implica que o sinal foi enviado por outra civilização. Desde o dia 15 de agosto de 1977, os astrônomos não captaram o ruído novamente. Mais de cem tentativas foram realizadas por observatórios e telescópios espalhados pelo mundo e todas resultaram na mesma resposta: o silêncio. Essa quietude pode ser explicada? Será que ela tem algum significado?

No dia 16 de novembro de 1974, aproximadamente três anos antes da descoberta do Sinal WOW!, o ser humano enviou a primeira mensagem endereçada a qualquer civilização inteligente que pudesse interpretá-la: a Mensagem de Arecibo. Projetada por Frank Drake e Carl Sagan, foi a primeira tentativa de comunicação feita pela civilização terrestre e o primeiro sinal de rádio de intensidade tão forte já emitido da Terra, apresentando duração de 180 segundos.

Esse sinal foi enviado partindo da ideia de que toda civilização minimamente inteligente entenderia ciência e matemática, sendo essas as linguagens universais. A mensagem continha as informações mais básicas sobre uma civilização que habita um ponto chamado Sistema Solar no Universo: os números de um a dez, os números atômicos dos principais elementos químicos constituintes, as fórmulas dos açúcares e bases nitrogenadas do DNA, a dupla-hélice do DNA, uma representação do ser humano com sua altura, do Sistema Solar e do telescópio de Arecibo-  de onde a mensagem foi enviada e, por isso, seu nome.

A Mensagem de Arecibo foi enviada uma única vez, durante apenas três minutos. Nenhuma resposta foi recebida desde então, e, desse modo, assumiu-se que ela nunca chegou ao seu endereço final. Isto posto, é compreensível o fato de que o Sinal WOW! não foi detectado novamente, os habitantes do planeta Terra também não enviaram nenhum retorno encaminhado à hipotética civilização que tentou contato.

Embora a natureza exata do sinal ainda permaneça incerta, é importante reconhecer que avanços na Astronomia e na busca por inteligência extraterrestre têm sido impulsionados por essa misteriosa detecção. À medida que os conhecimentos adquiridos pela humanidade são expandidos, bem como a capacidade de explorar os céus, é provável que novos detalhes sobre fenômenos relacionados à transmissão de mensagens intergalácticas sejam descobertos.

Independentemente de sua origem final - seja ela natural, tecnológica ou outra - o Sinal WOW! permanece como um símbolo inspirador da curiosidade inata e determinação em desvendar os enigmas do universo. 

Referências bibliográficas: 

[1] https://socientifica.com.br/o-misterioso-sinal-wow-foi-finalmente-explicado/ 

[2]https://www.tecmundo.com.br/ciencia/243744-sinal-wow-mensagem-civilizacao-alienigena.htm

 [3] https://spacetoday.com.br/a-origem-do-misterioso-sinal-wow/

 [4] https://www.inverse.com/science/where-did-the-wow-signal-come-from

 

Acompanhe tudo sobre:Ciência de Dados

Mais de ESG

Governo mantém imposto para inibir importação de resíduos de papel, plástico e vidro

Mudanças climáticas: degelo piora a navegação comercial entre Europa e Ásia

Yascha Mounk: 'Precisamos reforçar nossos ideais democráticos, e não a polarização cultural'

Cepal critica falta de política industrial na descarbonização e incentivo a importações

Mais na Exame