ESG

Shell enfraquece meta de redução de emissões de carbono para 2030

Mudanças nas metas são um pilar central na reformulação da estratégia do CEO Wael Sawan para focar em projetos de margem mais alta, produção de petróleo estável e crescimento na produção de gás natural para aumentar os retornos

Shell: empresa seguiu movimento da concorrente BP (Tulio Vidal/Divulgação)

Shell: empresa seguiu movimento da concorrente BP (Tulio Vidal/Divulgação)

Publicado em 14 de março de 2024 às 09h16.

Última atualização em 14 de março de 2024 às 15h27.

A gigante do petróleo Shell enfraqueceu sua meta de redução de carbono para 2030 e abandonou um objetivo para 2035, citando expectativas de vendas de energia mais baixas e forte demanda por gás na transição energética.

As mudanças nas metas são um pilar central na reformulação da estratégia do CEO Wael Sawan para focar em projetos de margem mais alta, produção de petróleo estável e crescimento na produção de gás natural para aumentar os retornos.

A rival BP fez movimento semelhante no ano passado, recuando em metas de produção de petróleo e redução de emissões, diante da crescente pressão dos investidores sobre as empresas para aumentar os retornos.

Em uma atualização anual de sua estratégia de transição energética nesta quinta-feira, 14, a Shell disse que visará uma redução de 15-20% na intensidade líquida de carbono de seus produtos energéticos até 2030 em comparação com os níveis de intensidade de 2016. Anteriormente, ela mirava em uma redução de 20%.

A medição de emissões por intensidade significa que uma empresa pode tecnicamente aumentar sua produção de combustíveis fósseis e emissões totais enquanto usa compensações ou adiciona energia renovável ou biocombustíveis à sua mistura de produtos.

A Shell disse acreditar que o gás, e o gás natural liquefeito em particular, desempenhará um papel crítico na transição energética ao substituir carbono mais poluente em usinas elétricas. Ao mesmo tempo, espera que suas vendas de energia, que incluem energia renovável, sejam menores do que anteriormente previsto.

A empresa também abandonou uma meta anterior de reduzir sua intensidade de carbono em 45% até 2035.

"Em linha com essa mudança para priorizar valor sobre volume em energia, vamos nos concentrar em mercados e segmentos selecionados. Isso inclui vender mais energia para clientes comerciais e menos para clientes varejistas", disse a Shell.

"Dado esse foco em valor, esperamos um crescimento total menor das vendas de energia até 2030, o que levou a uma atualização de nossa meta de intensidade líquida de carbono."

No entanto, a Shell também introduziu uma nova "ambição" de reduzir as emissões totais de produtos petrolíferos, como gasolina e querosene, em 15-20% até 2030 em comparação com 2021.

A Shell também manteve sua meta de reduzir pela metade as emissões de suas próprias operações, conhecidas como emissões do Escopo 1 e 2, até 2030, afirmando que já alcançou mais de 60% dessa meta.

Mark van Baal, fundador do grupo de acionistas ativistas Follow This, que co-apresentou uma resolução climática na próxima assembleia geral anual da Shell, disse que "com esse recuo, a Shell aposta no fracasso do Acordo Climático de Paris, que requer quase a redução pela metade das emissões nesta década".

A Shell também enfrenta desafios legais em relação à sua estratégia climática e está recorrendo de uma decisão judicial holandesa histórica que a ordenou a reduzir suas emissões mais rapidamente.

Como parte da estratégia, a Shell iniciou reduções de pessoal em toda a empresa, incluindo em sua divisão de soluções de baixo carbono, em uma iniciativa para economizar até US$ 3 bilhões.

Também vendeu seu negócio europeu de negociação de energia, saiu de projetos eólicos offshore e de baixo carbono, colocou à venda ativos solares nos EUA e colocou seu complexo gigante de refino e petroquímica em Singapura sob revisão. Também anunciou planos para fechar uma refinaria na Alemanha e sair das operações de petróleo terrestres problemáticas da Nigéria.

A empresa reportou um lucro líquido de US$ 28 bilhões em 2023, com base em fortes vendas de gás natural liquefeito e petróleo, que ainda estavam 30% abaixo dos ganhos recordes do ano anterior.

Acompanhe tudo sobre:ShellCarbonoEnergia renovável

Mais de ESG

ESG na essência: Grupo Boticário é a empresa do ano no Melhores do ESG

Empreendedorismo feminino, uma força que move a sociedade brasileira

Pesquisa mostra que empresas de bens de consumo fazem análises ESG, mas não rastreiam todo o risco

As soluções da Suvinil para transformar a tinta em um negócio cada vez mais sustentável

Mais na Exame