Acompanhe:

Panasonic investe R$1,6 bi em produção de energia solar no Ceará

60% da energia consumida pela Panasonic no Brasil deve ser de fonte solar em 2024. Para a construção e operação da usina solar, o investimento será de R$ 1,6 bilhão pela Pontoon Clean Tech

Modo escuro

Continua após a publicidade
Panasonic investe em energia solar (Panasonic/Divulgação)

Panasonic investe em energia solar (Panasonic/Divulgação)

M
Marina Filippe

Publicado em 13 de abril de 2022 às, 09h02.

Última atualização em 14 de abril de 2022 às, 16h26.

A empresa de tecnologia e produtos eletrônicos Panasonic anuncia a meta de ter metadeda energia consumida pela empresa no Brasil de fonte solar, proveniente do modelo de autoprodução, em 2024.

A energia será do Complexo Solar de Intrepid, localizado no município de Mauriti, no Ceará, com capacidade de produzir 500MWp e será responsável por aproximadamente 65% do consumo na fábrica da Panasonic localizada em Extrema, Minas Gerais.

Para a construção, gestão e operação da usina solar, o investimento será de R$ 1,6 bilhão pela Pontoon Clean Tech, empresa responsável pelo fornecimento de energia solar fotovoltaica com a qual a Panasonic firmou contrato, por 15 anos para a realização desse projeto.

"Este é um acordo via consórcio, com contrato fechado por 15 anos com a Pontoon Clean Tech, que é responsável por todo investimento, gestão e operação da usina solar enquanto a Panasonic é responsável pela contratação e pagamento da energia utilizada", diz Sergei Epof, vice-presidente de eletrodomésticos da Panasonic do Brasil.

A iniciativa faz parte da agenda ESG global da companhia, que está desenvolvendo diversas ações com objetivo de cumprir a Visão Ambiental 2050. Em todas as unidades da Panasonic já existe um sistema de verificação de conformidade com as legislações ambientais vigentes.

No Brasil, a empresa compensa 100% de toda a emissão de CO2 e a fábrica de Extrema, responsável pela produção de geladeiras e lavadoras da companhia, foi a primeira na América Latina a possuir o selo Zero CO2 Emission, concedido pela matriz japonesa. Além disso, a Panasonic já trabalha  o pilar da sustentabilidade em seus produtos, alinhando sempre novas tecnologias nos projetos a favor do meio ambiente.

Segundo Epof, o investimento em energias limpas e renováveis está em linha com a estratégia da Visão Ambiental 2050. "Em maio de 2021, anunciamos uma meta global de tornar nossa emissão total de CO2 líquida em zero até 2030. No Brasil, isso já é uma realidade em nossas unidades antes mesmo do prazo, por meio da compensação de compra de créditos de carbono. Nossos esforços serão para que a energia criada por produtos e serviços da Panasonic exceda a utilizada em nossos processos de fabricação até o ano de 2050 ou mesmo antes. Atingindo mais de 60% de autoprodução de energia também nos destacamos entre as outras unidades do mundo".

O projeto do Complexo Solar de Intrepid terá o total de 1.100 hectares e 935 mil placas solares serão instaladas evitando a emissão de 400 mil toneladas de CO2 por ano. As obras têm previsão de início para o ano de 2022 e encerramento até o final de 2023 movimentando mais de 4 mil empregos diretos e indiretos para a comunidade local.

“Entramos no mercado esse ano, onde oferecemos a possibilidade de construir a jornada completa de descarbonização das empresas. Por isso, ter a Panasonic como aliada nesse setor em pleno crescimento, significa um grande passo para a Pontoon”, diz Marcos Severine, CEO da Pontoon.

Desta forma, a Panasonic quer liderar a frente de autoprodução de energia via matriz solar fotovoltaica se comparada a outras empresas do mesmo segmento de mercado. “A Panasonic já utiliza 100% de energia de fontes renováveis provenientes do mercado livre de energia, e já neutraliza 100% de CO2. A partir de 2024, metade da energia total consumida pela empresa no Brasil será proveniente de energia limpa e solar produzida pela Pontoon dentro deste modelo de autoprodução. Trata-se de um projeto piloto e a ideia é aumentar gradualmente os investimentos em autoprodução a partir de 2024. Espera-se que nos próximos 15 anos a autoprodução produzida pela Pontoon atinja 100%", afirma Epof.

Últimas Notícias

Ver mais
Brasil avança e chega ao sexto lugar em energia solar
ESG

Brasil avança e chega ao sexto lugar em energia solar

Há 16 horas

Eclipse fará EUA perderem o equivalente a 30 reatores nucleares em geração de energia
Mundo

Eclipse fará EUA perderem o equivalente a 30 reatores nucleares em geração de energia

Há 23 horas

6 franquias baratas a partir de R$ 300 para empreender com energia solar
seloNegócios

6 franquias baratas a partir de R$ 300 para empreender com energia solar

Há um dia

No Brasil, energia solar chega aos 41 GW de potência instalada
ESG

No Brasil, energia solar chega aos 41 GW de potência instalada

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais