ESG

Líderes se reúnem sobre clima, após confirmação de que 2023 foi ano mais quente da história

O documento servirá como referência para reunião ministerial sobre o clima de Copenhague

São Paulo SP 12/11/2023 Termometro marcando 39 graus na região da Praça da Sé.   Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil (Paulo Pinto/Agência Brasil)

São Paulo SP 12/11/2023 Termometro marcando 39 graus na região da Praça da Sé. Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil (Paulo Pinto/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 19 de março de 2024 às 14h20.

O ano de 2023 foi o mais quente já registrado, além de ter sido acompanhado também por recordes de calor oceânico, aumento do nível do mar, perda de gelo marinho na Antártica e recuo das geleiras, confirmou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) em relatório divulgado, nesta terça-feira, 19.

O documento servirá como referência para reunião ministerial sobre o clima de Copenhague, que será realizada de 21 a 22 de março, e que contará com a presença de líderes focados em assuntos climáticos e ministros de todo o mundo.

Preparativos para a COP29

O reforço das Contribuições Nacionalmente determinadas (NDC, na sigla em inglês) dos países antes do prazo de fevereiro de 2025 estará no topo da agenda, tal como a celebração de um acordo ambicioso sobre financiamento na COP29 para transformar os planos nacionais em ação, diz a OMM.

As NDCs são as metas e compromissos de redução de emissões de gases do efeito estufa (GEE) que cada país definiu para si a partir do Acordo de Paris, assinado em 2015.

Mudanças climáticas

O relatório da OMM confirmou que a temperatura média global próxima da superfície foi de 1,45 grau Celsius (com uma margem de incerteza de ? 0,12ºC) acima da referência básica do período pré-industrial. O Acordo de Paris tem como objetivo principal não permitir que o planeta se aqueça além de 1,5ºC até o final do século 21.

"Nunca estivemos tão perto — embora de forma temporária neste momento — do limite inferior de 1,5ºC do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas", disse a secretária-geral da OMM, Celeste Saulo. "A comunidade da OMM está acionando o alerta vermelho para o mundo."

Os extremos meteorológicos e climáticos podem não ser a causa principal, mas são fatores agravantes da insegurança alimentar, de acordo com o relatório. Citando dados da Programa Alimentar Mundial, o documento destacou que o número de pessoas que sofrem de insegurança alimentar aguda em todo o mundo mais do que duplicou, passando de 149 milhões antes da pandemia de covid-19 para 333 milhões de pessoas em 2023.

Acompanhe tudo sobre:Antártica

Mais de ESG

Mudanças climáticas obrigam moradores de ilha a migrarem para 'condomínio' no continente

A participação pública na discussão de projetos hidrelétricos

The Elders, grupo de anciões criado por Nelson Mandela, quer o Brasil na liderança climática global

94% das cidades brasileiras falham na prevenção a tragédias climáticas

Mais na Exame