Esfera Brasil
Um conteúdo Esfera Brasil

Com destaque para Amazônia, Brasil reduz desmatamento de florestas

Em todo o planeta, áreas tropicais perderam 3,7 milhões de hectares em 2023

Lula defende maior capacidade de articulação dos países que possuem florestas  (Ignacio Palacios/Getty Images)

Lula defende maior capacidade de articulação dos países que possuem florestas (Ignacio Palacios/Getty Images)

Esfera Brasil
Esfera Brasil

Plataforma de conteúdo

Publicado em 16 de abril de 2024 às 06h00.

O Brasil reduziu em 36% o desmatamento de florestas no ano passado. Os dados são da plataforma Global Forest Watch, do World Resources Institute, e foram divulgados recentemente.

Ainda que tenha tido um desempenho positivo na comparação com outras nações, os dados destacam que a conservação das florestas deve ser mantida no radar dos tomadores de decisão nos próximos anos. O bioma amazônico teve a maior redução nas perdas de florestas, com 39% menos perda de floresta. Por outro lado, no Cerrado essa cobertura caiu 6%.

Ainda segundo o relatório, em todo o planeta, áreas tropicais perderam 3,7 milhões de hectares de floresta em 2023. Proporcionalmente, é como se a cada minuto fossem destruídos o equivalente a dez campos de futebol. Dados globais apontam que a retirada da vegetação nativa nessas áreas corresponde a 96% do desmatamento ocorrido globalmente.

“Como alguns países mostram vontade política de reduzir a perda florestal e outros não, as fronteiras da perda florestal estão mudando. As reduções marcantes no Brasil e na Colômbia foram contrabalançadas por aumentos bruscos na perda florestal na Bolívia, Laos e Nicarágua e aumentos mais discretos em outros países”, diz trecho do comunicado divulgado pelo World Resources Institute.

O meio ambiente tem sido uma das preocupações de Luiz Inácio Lula da Silva neste terceiro mandato. Logo após ser eleito, o petista viajou à cidade egípcia de Sharm El-Sheikh, onde foi realizada a COP27, e sinalizou à comunidade internacional que posicionaria o País como protagonista na agenda da sustentabilidade.

O presidente brasileiro também defende uma maior capacidade de articulação em conjunto do grupo de países detentores de florestas tropicais, que além do Brasil inclui República Democrática do Congo e Indonésia. Em outro movimento semelhante, no ano passado, a Cúpula da Amazônia reuniu os chefes de Estado dos oito países amazônicos que fazem parte da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA): Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.

Recentemente, uma alteração no Código Florestal brasileiro, aprovada em caráter conclusivo na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados e encaminhada ao Senado, limita a proteção de áreas consideradas não florestais localizadas na Mata Atlântica, no Cerrado e no Pantanal.

O relatório da Global Forest Watch ainda aponta que o Pantanal teve um pico de perda de áreas verdes provocada por incêndios florestais, agravados pelo cenário de mudanças climáticas.

“O Cerrado é o epicentro da produção agrícola no País, e a extensão de sua produção de soja mais que dobrou ao longo dos últimos 20 anos. As organizações da sociedade civil estão clamando que as empresas assumam um compromisso com a agricultura livre de desmatamento e de conversão como uma maneira de garantir que as cadeias de suprimentos deles não contribuam para a perda de ecossistema nesse bioma valioso”, diz outro trecho do relatório.

Acompanhe tudo sobre:AmazôniaGoverno LulaLuiz Inácio Lula da SilvaPreservação ambiental

Mais de Esfera Brasil

Letra de Crédito do Desenvolvimento cria novas condições para investimentos no Brasil

Para especialista, ações para recuperar RS devem envolver a população e priorizar prazos

Após R$15,3 bi em débitos de ICMS negociados, Acordo Paulista deverá contemplar devedores de IPVA

Programa Mover tem 69 empresas do setor automotivo habilitadas

Mais na Exame