Acompanhe:

Vendas no varejo ajudaram IBC-Br a subir em novembro

A expansão de 1,2% das vendas no varejo ampliado em novembro deve ter puxado a atividade econômica no penúltimo mês de 2014

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Varejo: o desempenho do IBC-Br segue bastante fraco na comparação interanual, com queda de 1,3% em novembro ante novembro de 2013
 (REUTERS/Sergio Moraes)

Varejo: o desempenho do IBC-Br segue bastante fraco na comparação interanual, com queda de 1,3% em novembro ante novembro de 2013 (REUTERS/Sergio Moraes)

M
Mário Braga

Publicado em 15 de janeiro de 2015 às, 09h02.

São Paulo - Os resultados das vendas no varejo em novembro devem ter compensado o desempenho ruim da indústria no mês e contribuído para o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado nesta quinta-feira, 15, ter registrado variação levemente positiva. A avaliação é da economista do banco ABC Brasil, Mariana Hauer.

Perto da estabilidade, com alta de apenas 0,04%, o resultado não altera o cenário de estagnação da economia brasileira, diz a especialista.

Mariana destaca que, como o Banco Central não detalha o resultado, é possível apenas deduzir que a expansão de 1,2% das vendas no varejo ampliado em novembro, na comparação com outubro, deve ter puxado a atividade econômica no penúltimo mês de 2014.

"No entanto, é possível que o resultado do varejo de novembro tenha tido reflexo de uma antecipação das compras de Natal", alerta a economista.

Se esse quadro se confirmar, dezembro pode ter um desempenho ruim e compensar a surpresa positiva com o setor no décimo primeiro mês do ano.

A especialista ressalta que o desempenho do IBC-Br segue bastante fraco na comparação interanual, com queda de 1,3% em novembro ante novembro de 2013.

Por isso, explica Mariana, apesar de o dado na margem ter vindo no campo positivo, o resultado do IBC-Br não foi uma surpresa tão grande a ponto de levar a revisões de projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2014.

A princípio, a economista diz que deve manter a expectativa de elevação de 0,2% para o PIB do ano passado.

Últimas Notícias

Ver mais
Aumenta a confiança da indústria, diz pesquisa da FGV
Economia

Aumenta a confiança da indústria, diz pesquisa da FGV

Há um dia

IFI reduz estimativa para dívida bruta em 2024, de 78,8% para 77 7% do PIB
Economia

IFI reduz estimativa para dívida bruta em 2024, de 78,8% para 77 7% do PIB

Há um dia

Blinken diz que Argentina 'pode contar' com EUA para estabilizar sua economia
Economia

Blinken diz que Argentina 'pode contar' com EUA para estabilizar sua economia

Há um dia

Governo prorroga inscrições de programa para participação de mulheres no comércio exterior
Economia

Governo prorroga inscrições de programa para participação de mulheres no comércio exterior

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais