Economia

Vendas de material de construção crescem 5% em junho

Mesmo com a melhora, o setor do varejo de construção registra queda de 8,5% no acumulado do primeiro semestre deste ano


	Construção: mesmo com a melhora, esse setor de varejo registra queda de 8,5% no acumulado do primeiro semestre deste ano
 (Alexandre Battibugli/Exame)

Construção: mesmo com a melhora, esse setor de varejo registra queda de 8,5% no acumulado do primeiro semestre deste ano (Alexandre Battibugli/Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 4 de julho de 2016 às 16h10.

As vendas de material de construção cresceram 5% em junho na comparação com maio, segundo pesquisa divulgada hoje (4) pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco).

Mesmo com a melhora, o setor do varejo de construção registra queda de 8,5% no acumulado do primeiro semestre deste ano.

Nos últimos 12 meses, o comércio de materiais de construção apresenta retração de 10%. O presidente da Anamaco,  Cláudio Conz, atribui os problemas às dificuldades econômicas enfrentadas pelo país e às restrições ao crédito.

“Nós já sabíamos que o primeiro semestre seria difícil para o setor, especialmente por conta do cenário econômico do país, que está afetando não só a liberação de crédito nos principais financiamentos voltados ao nosso segmento, como também a confiança do consumidor, que passou a adiar pequenas reformas e obras”, afirmou Conz.

Apesar da situação desfavorável, a Anamaco estima crescimento de 3,5% neste ano. “ Tradicionalmente, o segundo semestre corresponde a 60% do volume de vendas. Fora isso, não podemos ignorar o fato de que há uma demanda natural pelos nossos produtos”, acrescentou o presidente da Anamaco.

Acompanhe tudo sobre:ComércioConstrução civilIndústriaMateriais de construçãoVarejo

Mais de Economia

Câmara aprova taxa de 20% para compras de até US$ 50 em sites como Shein e AliExpress

EXCLUSIVO: Sky planeja criar banco para atender seus assinantes de TV e internet

Relator do Mover publica parecer com taxa de 25% sobre compras na Shein e AliExpress de até US$ 50

Quer investir nos EUA? Saiba como escolher ações internacionais

Mais na Exame