Economia

Variação de preço de material escolar pode chegar a 260% em SP

Uma caneta esferográfica da marca Faber Castell, por exemplo, pode custar entre R$ 1,75 e R$6,30 em diferentes estabelecimentos

Material escolar: o levantamento foi feito entre os dias 7 e 11 de dezembro em nove lojas de São Paulo (Wilson Dias/Agência Brasil)

Material escolar: o levantamento foi feito entre os dias 7 e 11 de dezembro em nove lojas de São Paulo (Wilson Dias/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 9 de janeiro de 2018 às 18h13.

Uma pesquisa realizada pela Fundação Procon-SP na capital mostra que a variação de preço entre itens de material escolar pode chegar a 260% para um mesmo produto. 

Uma caneta esferográfica da marca Faber Castell, por exemplo, pode custar entre R$ 1,75 e R$6,30 em diferentes estabelecimentos.

O levantamento foi feito entre os dias 7 e 11 de dezembro em nove lojas de São Paulo. Foram pesquisados apontador, borracha, caderno, canetas esferográfica e hidrográfica, colas em bastão e líquida, fita corretiva, giz de cera, lápis preto e colorido, lapiseira, marca texto, massa de modelar, papel sulfite, pintura a dedo, refil para fichário, régua e tesoura escolar.

Na comparação com a edição anterior do estudo, verificou-se uma alta de 9,25% no preço desses materiais. Ao mesmo tempo, o IPC-SP (Índice de Preços ao Consumidor de São Paulo) da Fipe referente ao período registrou uma variação de 2,45%. 

A recomendação do Procon-SP é que os pais pesquisem sempre os preços antes de ir às compras, além de verificar quais itens podem ser reaproveitados pelas crianças.

Na hora de pagar pelas aquisições, também é essencial verificar as condições de pagamento e a possibilidade de conseguir descontos à vista ou para compras coletivas.

Acompanhe tudo sobre:EducaçãoEscolasPreçossao-paulo

Mais de Economia

Inflação ao consumidor na China continua em alta

Petrobras prevê perfurar novos poços do pré-sal em 2025 para garantir futuro da bacia de Campos

Senado estuda usar atualização do IR e repatriação para compensar desoneração

‘Temos absoluta confiança que o dólar vai cair’, diz Geraldo Alckmin

Mais na Exame