Acompanhe:

Trump tem plano para salvar carvão e travar energia limpa

Tramitam duas iniciativas em Washington que podem permitir a Trump virar de cabeça para baixo os mercados de venda de eletricidade no atacado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Trump: o plano tributário da Casa Branca pode afetar uma importante fonte de financiamento do setor de energia limpa (Carlos Barria/Reuters)

Trump: o plano tributário da Casa Branca pode afetar uma importante fonte de financiamento do setor de energia limpa (Carlos Barria/Reuters)

J
Joe Ryan, da Bloomberg

Publicado em 3 de outubro de 2017 às, 17h32.

Nova York - O presidente dos EUA, Donald Trump, pode ter em breve a chance de provar que é errada a tese de que a economia matará a indústria de carvão do país e fará a energia limpa prosperar.

Tramitam duas iniciativas em Washington -- uma em apoio a grandes usinas de energia tradicionais e outra para impor tarifas aos painéis solares -- que podem permitir a Trump virar de cabeça para baixo os mercados de venda de eletricidade no atacado e eliminar a vantagem das fontes renováveis.

As medidas, que invocam leis que não são usadas há uma década, surgem em um momento em que o Congresso analisa um plano tributário da Casa Branca que pode afetar uma importante fonte de financiamento do setor de energia limpa. Juntas, elas levantam dúvidas quanto à possibilidade de a queda dos custos ser suficiente para que as energias eólica e solar continuem prosperando durante o governo de um presidente decidido a respaldar os combustíveis fósseis.

“O rumo, de forma geral, parece bastante claro”, disse Ethan Zindler, analista da Bloomberg New Energy Finance. “E se tudo isso se concretizar a notícia não será nada boa para as energias renováveis.”

"Proposta Radical"

A última novidade surgiu na sexta-feira, quando o secretário de Energia dos EUA, Rick Perry, conclamou a Comissão Federal de Regulamentação da Energia dos EUA (Ferc, na sigla em inglês) a ajudar o carvão e as usinas nucleares a competirem nos mercados de energia por atacado. O pedido, citando um obscuro estatuto de 30 anos atrás, é destinado a promover a segurança nacional recompensando as usinas capazes de armazenar 90 dias de combustível em suas instalações.

A proposta pode ajudar as centrais nucleares e de carvão a continuarem funcionando mesmo que suas operações não sejam econômicas, deixando menos oportunidades para que desenvolvedores construam novos parques eólicos e solares, disseram os analistas. Esta seria uma mudança significativa na abordagem da Ferc, em grande parte voltada ao livre mercado, em termos de regulamentação, e não está claro se a comissão formada por três membros -- dois deles nomeados por Trump -- concordará.

“Esta proposta é bastante radical”, disse Miles Farmer, advogado do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais (NRDC, na sigla em inglês). “A Ferc não precisa ouvir o Departamento de Energia -- de maneira nenhuma.”

Associações que representam os setores de petróleo, gás e energias eólica e solar estão unidas em oposição à ideia e apresentaram uma moção conjunta na segunda-feira exortando a Ferc a rejeitar a mudança.

Aplicação de tarifas

Ao mesmo tempo, existe pressão para a aplicação de tarifas aos painéis solares importados, um assunto que não foi levantado pela Casa Branca, mas que em breve estará sobre a mesa do presidente.

A Suniva, uma fabricante de painéis que entrou em falência, apresentou queixa comercial em abril com base em uma lei que não era usada com sucesso desde 2002. A empresa argumentou que foi prejudicada pela enxurrada de painéis baratos importados da Ásia e de outras partes do mundo. Agora, a Comissão de Comércio Internacional dos EUA tem até 13 de novembro para recomendar o tamanho, a abrangência e a duração de uma possível tarifa a Trump, que tem a palavra final.

A maior parte da indústria solar dos EUA se opõe à iniciativa, argumentando que os painéis estrangeiros baratos estimularam a expansão dos projetos de energia limpa e criaram dezenas de milhares de empregos. Se os preços dos painéis subirem, o desenvolvimento perderá força, dizem as empresas.

Últimas Notícias

Ver mais
IA pode usar mais energia do que toda a Índia até 2030, afirma CEO da Arm
Inteligência Artificial

IA pode usar mais energia do que toda a Índia até 2030, afirma CEO da Arm

Há 4 horas

Venezuela teme efeitos na economia após perda de licença dos EUA
Mundo

Venezuela teme efeitos na economia após perda de licença dos EUA

Há 4 horas

Onde assistir 'Guerra Civil'? Filme com Wagner Moura estreia hoje nos cinemas
Pop

Onde assistir 'Guerra Civil'? Filme com Wagner Moura estreia hoje nos cinemas

Há 11 horas

Lula reafirma que Brasil é contra sanções a Venezuela, dizem interlocutores do governo brasileiro
Brasil

Lula reafirma que Brasil é contra sanções a Venezuela, dizem interlocutores do governo brasileiro

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais