Economia

Trump cometeu "equívoco brutal" ao comentar câmbio, diz Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o discurso de Trump sobre o câmbio é reflexo da campanha pela reeleição

Guedes: ministro afirmou novamente que brasileiro terá de se acostumar com um "câmbio um pouco mais alto" (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

Guedes: ministro afirmou novamente que brasileiro terá de se acostumar com um "câmbio um pouco mais alto" (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

R

Reuters

Publicado em 4 de dezembro de 2019 às 14h08.

Última atualização em 4 de dezembro de 2019 às 14h09.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cometeu um "equívoco brutal" ao acusar o Brasil de desvalorização artificialmente do real, conforme entrevista a "O Antagonista", publicada nesta quarta-feira.

De acordo com o texto, Guedes disse que o discurso de Trump é reflexo da campanha pela reeleição e espera resolver a situação "numa conversa tranquila".

O ministro repetiu que o brasileiro terá de se acostumar com um "câmbio um pouco mais alto" e afirmou ainda que a retomada econômica "não é voo de galinha".

"O consumo subiu 0,8%, consumo privado, e investimentos subiram 2%, então o motor da retomada está sendo aumento do investimento privado", disse ele, referindo-se aos números do PIB divulgados na véspera.

"O interessante é que está bastante distribuído. Construção civil, por exemplo, é sempre onde a retomada começa primeiro. Grande empregador de mão de obra. Você vê que, a cada trimestre, desemprego cai ponto 2, ponto 3, dá mais de um milhão ao ano", completou.

"Nós vamos ter juros mais baixos por muitos anos e um câmbio um pouco acima do nível que estávamos acostumados", afirmou Guedes, repetindo promessa de "choque de energia barata".

Acompanhe tudo sobre:CâmbioDólarDonald TrumpEstados Unidos (EUA)Paulo Guedes

Mais de Economia

Lira: sem mudanças, projeto sobre motoristas de aplicativo dificilmente será aprovado na Câmara

Em novo atrito com Congresso, governo pede ao STF que declare inconstitucional desoneração da folha

Após veto do governo, cobrança de imposto em apostas pode variar de 1,3% a 283% no ano, diz estudo

Mais na Exame