Acompanhe:

Terceirização vai precarizar trabalho, diz presidente do TRT-2

Para Wilson Fernandes, historicamente os empregados terceirizados sempre ganharam menos que os contratados regularmente

Modo escuro

Continua após a publicidade
Terceirização: presidente do TRT-2 crê em onda de demissões para contratação de terceirizados (Purestock/Thinkstock)

Terceirização: presidente do TRT-2 crê em onda de demissões para contratação de terceirizados (Purestock/Thinkstock)

A
Agência Brasil

Publicado em 24 de março de 2017 às, 07h07.

Com a aprovação do projeto de lei que libera a terceirização para todas as atividades das empresas, haverá uma grande precarização do trabalho, avaliou o presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região - São Paulo (TRT-2), Wilson Fernandes.

"Se a empresa terceiriza um trabalho, ela dispensa dez trabalhadores e contrata [por meio de uma empresa terceirizada] outros dez para fazer o trabalho daqueles, e por que ela faz isto? Porque vai sair mais barato para ela. Se vai sair mais barato para ela, de onde sai a diminuição de custo? Do salário do trabalhador, obviamente", disse.

Fernandes acrescentou que a empresa prestadora de serviços, que vai fornecer essa mão de obra terceirizada, será constituída para ter lucro. "E de onde sai o lucro dela? Do salário do trabalhador indiscutivelmente".

Segundo Fernandes, historicamente os empregados terceirizados sempre ganharam menos que os empregados contratados regularmente.

Além da precarização, o presidente do TRT-2 acredita que haverá uma dispensa grande de trabalhadores empregados para que haja a contratação de terceirizados.

"Se havia uma defesa tão grande e tão expressiva, especialmente de alguns setores empresariais, desse projeto de terceirização, isso significa que, uma vez aprovado, aqueles empresários tendem a dispensar seus trabalhadores regulares para substituir a mão de obra por terceirizada".

Acidente de trabalho

Fernandes disse que a maioria dos acidentes de trabalho ocorrem com trabalhadores terceirizados. "Dos acidentes de trabalho no Brasil, cerca de 70% a 80% envolvem trabalhadores terceirizados. É um dado muitíssimo importante. É muito relevante porque o acidente de trabalho não é um problema só para o trabalhador, é um problema para a Previdência Social. O trabalhador afastado tem custos para a Previdência Social e esse dado está sendo ignorado".

O presidente acredita que a alteração principal proposta pela lei é permitir a terceirização para a atividade-fim das empresas.

"Essa sempre foi uma crítica que se fez à terceirização, que é o fato de poder substituir empregados da atividade-fim. O exemplo clássico que dão é dos professores, por exemplo: como é que se vai imaginar uma escola que não tenha professores no quadro de empregados? Para a nossa tradição jurídica, isso nunca foi possível", exemplificou.

Últimas Notícias

Ver mais
Aumenta a confiança da indústria, diz pesquisa da FGV
Economia

Aumenta a confiança da indústria, diz pesquisa da FGV

Há 7 horas

IFI reduz estimativa para dívida bruta em 2024, de 78,8% para 77 7% do PIB
Economia

IFI reduz estimativa para dívida bruta em 2024, de 78,8% para 77 7% do PIB

Há 22 horas

Blinken diz que Argentina 'pode contar' com EUA para estabilizar sua economia
Economia

Blinken diz que Argentina 'pode contar' com EUA para estabilizar sua economia

Há 22 horas

Governo prorroga inscrições de programa para participação de mulheres no comércio exterior
Economia

Governo prorroga inscrições de programa para participação de mulheres no comércio exterior

Há 23 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais