Economia

TCU aprova estudos de Confins e Galeão com restrições

Principal restrição feita pelo Tribunal refere-se aos limites mínimos de qualificação impostos pelo governo


	Interior do Aeroporto Internacional de Confins: limites mínimos de qualificação para participar do leilão seria de 20 milhões de passageiros por ano
 (Wikimedia Commons)

Interior do Aeroporto Internacional de Confins: limites mínimos de qualificação para participar do leilão seria de 20 milhões de passageiros por ano (Wikimedia Commons)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de outubro de 2013 às 16h57.

Brasília - O Tribunal de Contas da União aprovou nesta quarta-feira, com restrições, os estudos das concessões dos aeroportos de Galeão (RJ) e Confins (MG), liberando a publicação do edital da disputa pelo governo.

A principal restrição refere-se aos limites mínimos de qualificação impostos pelo governo, que vinha exigindo que os consórcios interessados no Galeão tivessem pelo menos um operador que tenha movimentado, em um único aeroporto, 35 milhões de passageiros ao ano.

No caso de Confins, o limite seria de 20 milhões de passageiros por ano.

O TCU questionou os critérios técnicos que levaram ao estabelecimento desses números e deu ao governo duas alternativas.

A primeira seria adotar como corte para a qualificação de fluxo equivalente ao projetado para os dois aeroportos no início da concessão, em 2014. Segundo o presidente do TCU, Augusto Nardes, isso corresponde a 12 milhões de passageiros em Confins e a 22 milhões de pessoas no Galeão.

Acompanhe tudo sobre:Aeroporto de ConfinsAeroportosAeroportos do BrasilEmpresasGaleãoLeilõesTCUTransportes

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame