Economia

Taxas de frete despencam 90% com cargas paralisadas por vírus

A queda nas taxas de frete destaca o peso da China nos mercados globais de commodities, com o novo coronavírus impactando do petróleo ao cobre

Porto de Xangai: navios transportam o principal ingrediente para a fabricação de aço de minas gigantes no Brasil e na Austrália para usuários na China e na Europa (Qilai Shen/Bloomberg)

Porto de Xangai: navios transportam o principal ingrediente para a fabricação de aço de minas gigantes no Brasil e na Austrália para usuários na China e na Europa (Qilai Shen/Bloomberg)

Ligia Tuon

Ligia Tuon

Publicado em 31 de janeiro de 2020 às 17h28.

A crise do coronavírus na China sacudiu muitos mercados este mês. Mas talvez nenhum tenha sido tão afetado quanto o frete.

As taxas para os gigantes navios Capesize, normalmente usados para transportar matérias-primas como minério de ferro, caíram 90% em relação ao pico de setembro, para menos de US$ 4 mil por dia, com base em um índice que rastreia os ganhos.

O Índice Baltic Dry, mais amplo, acumula queda superior a 50% em janeiro, atingindo o menor nível desde 2016 com o agravamento do surto, em um mercado de frete já fraco por causa do Ano Novo Lunar.

A queda nas taxas de frete destaca o peso da China nos mercados globais de commodities, com o novo coronavírus impactando do petróleo ao cobre.

“Esperamos que a fraqueza persista em meio à incerteza sobre a duração dos efeitos do vírus”, disse Ralph Leszczynski, chefe de pesquisa da corretora de navios Banchero Costa & Co. Sazonalmente, as taxas já são baixas em janeiro por causa do Ano Novo Lunar e menor demanda no Brasil devido ao mau tempo, e o vírus é um fator extra de baixa, disse Leszczynski.

O minério de ferro é a maior carga a granel seca em volume, com fluxos marítimos anuais totalizando cerca de 1,6 bilhão de toneladas. Os navios transportam o principal ingrediente para a fabricação de aço de minas gigantes no Brasil e na Austrália para usuários na China e na Europa.

Mineradoras minimizaram as preocupações. A australiana Fortescue Metals disse que a preocupação com o vírus está afetando as expectativas, mas não o comércio físico de minério de ferro. A Vale disse que as operações nos portos asiáticos estão normais.

Acompanhe tudo sobre:ChinaCoronavírus

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame