Economia

Taxa de desemprego cai para 13,2% em agosto e atinge 13,7 milhões

Apesar da melhora no mercado de trabalho, país ainda tem 13,7 milhões na fila por emprego

Desemprego: diante do avanço da vacinação e da reabertura da economia, economistas esperam que a ocupação cresça de forma significativa nos últimos meses deste ano (Marcos Santos/Agência USP)

Desemprego: diante do avanço da vacinação e da reabertura da economia, economistas esperam que a ocupação cresça de forma significativa nos últimos meses deste ano (Marcos Santos/Agência USP)

AO

Agência O Globo

Publicado em 27 de outubro de 2021 às 09h26.

A taxa de desemprego ficou em 13,2% no trimestre encerrado em agosto, uma queda em relação aos 14,6% registrados em maio, que serve de base de comparação. Ainda assim, há 13,7 milhões de pessoas em busca de uma oportunidade, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua, divulgada nesta quarta-feira.

O indicador também recuou em relação à taxa no trimestre encerrado em julho, de 13,7%, quando havia 14,1 milhões na fila do emprego.

Diante do avanço da vacinação e da reabertura da economia, economistas esperam que a ocupação cresça de forma significativa nos últimos meses deste ano. O desafio daqui para a frente, porém, será o ritmo dessa retomada.

Enquanto a população economicamente ativa (que está empregada ou desempregada, mas à procura de trabalho) deverá voltar ao nível pré-pandemia de forma mais intensa, o aumento da população ocupada deverá crescer em menor magnitude.

Com isso, a expectativa é que o país conviva com níveis elevados de desocupação por bastante tempo, já que há um descompasso entre oferta e demanda de mão de obra.

Caged X Pnad

Na terça-feira, o governo divulgou a abertura de mais de 300 mil vagas com carteira assinada, segundo dados do Cadastro Geral de Empregos. A Pnad considera vagas formais e informais e apresenta dados trimestrais. Já as informações do Caged refletem números mensais apenas de empregos formais.

Enquanto a pesquisa do IBGE investiga todos os tipos de ocupação, nos mercados formal e informal, além de trabalhadores por conta própria e funcionários públicos, o Caged só considera aqueles que trabalham com carteira de trabalho assinada.

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam o seu bolso. Assine a EXAME 
Acompanhe tudo sobre:DesempregoEmpregosIBGEMercado de trabalhoSeguro-desempregovagas-de-emprego

Mais de Economia

STF retoma hoje julgamento de ações que questionam pontos da Reforma da Previdência de 2019

Exclusivo: Sky fecha parceria com Amazon para vender internet por satélite no Brasil

STF decide que Receita não pode cobrar tributação do terço de férias antes de agosto de 2020

Mais na Exame