Economia

Tarcísio diz que prevê a privatização da Sabesp para 2024

O governador ponderou que é preciso fazer a operação com cuidado já que se trata de um projeto grande porte

"Acredito que é uma operação que pode transcorrer no ano que vem", afirmou Tarcísio (Governo de São Paulo/Flickr)

"Acredito que é uma operação que pode transcorrer no ano que vem", afirmou Tarcísio (Governo de São Paulo/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 13 de março de 2023 às 15h24.

O governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos), disse nesta segunda-feira, 13, que prevê a privatização da Sabesp em 2024, sendo que a assinatura do contrato com a IFC, agência do Banco Mundial, para estruturação da capitalização deve ocorrer até o fim deste mês. Ao participar de almoço com empresários promovido pelo Lide, o governador salientou que serão avaliados no estudo a ser contratado todos os pontos de atenção, caso, por exemplo, de como serão prestados os serviços em áreas não rentáveis.

"Acredito que é uma operação que pode transcorrer no ano que vem", afirmou Tarcísio, ao ser questionado sobre o prazo da privatização da companhia de saneamento. O governador ponderou que é preciso fazer a operação com cuidado já que se trata de um projeto grande porte.

Por outro lado, citou a experiência com privatização, mencionando a transferência ao capital privado da Eletrobras, ao demonstrar confiança na venda da Sabesp.

Rodoanel

O governador de São Paulo disse também que está confiante que o leilão do trecho Norte do Rodoanel, que será feito na terça-feira, 14, será bem-sucedido. "Estou confiante de que o leilão do Rodoanel de amanhã será bem-sucedido", comentou.

O trecho Norte do Rodoanel vai consumir investimentos de R$ 4 bilhões e, segundo Tarcísio, em 2026 ele estará totalmente pronto.

Fazendo um paralelo com o seu tempo de ministro da Infraestrutura, Tarcísio brincou que já estava com saudades de bater o martelo num leilão de concessões e privatização.

Obras

O governador de São Paulo voltou a afirmar que não vai paralisar nenhum projeto ou obra que vieram de governadores anteriores. "Não vamos paralisar nada que veio do governo anterior. Foi assim que fiz quando estive à frente do Ministério da Infraestrutura e assim vou fazer no Governo do Estado de São Paulo. Obras não são de um governo ou de outro, são do Estado, comentou Tarcísio.

De acordo com ele, as pessoas não entendem e não aceitam obras paradas porque "obras paradas não geram taxas de retorno financeiro ou social". "Vamos tocar", disse.

E para o governador, fazer São Paulo crescer com desenvolvimento social é possível porque o Estado de São Paulo tem espaço para reduzir despesas e ganhar fôlego para investimentos. "Acreditamos na aliança de investimento público e privado", reforçou.

Acompanhe tudo sobre:SabespTarcísio Gomes de FreitasPrivatizaçãoeconomia-brasileira

Mais de Economia

TCU aprova contas do governo Lula em 2023, mas aponta distorções de R$ 20 bi

BNDES suspende pagamento de empréstimos do Aeroporto Salgado Filho, no RS, por 12 meses

Lula: há possibilidade de fundo saudita investir em vários setores no Brasil

Presidente da Petrobras afirma que Lula demandou que empresa apoie o desenvolvimento do país

Mais na Exame