Economia

Sicoob tem resultado recorde de R$ 8,4 bi em 2023 e parte do recurso será distribuída aos cooperados

O volume de recursos que será repartido com os associados está em processo final de auditoria e ainda será anunciado oficialmente

Agência do Sicoob: cooperativa pretende abrir 200 novas unidades em 2024 (Divulgação/Divulgação)

Agência do Sicoob: cooperativa pretende abrir 200 novas unidades em 2024 (Divulgação/Divulgação)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 8 de abril de 2024 às 18h13.

Última atualização em 9 de abril de 2024 às 15h04.

O Sicoob, instituição financeira cooperativa com 7,9 milhões de associados, registrou resultado recorde R$ 8,4 bilhões em 2023, um aumento de 16,4% em comparação ao ano anterior. No cooperativismo de crédito não há lucro. Há sobras. E parte desses valores será distribuída aos cooperados após a conclusão de processo de auditoria que determinará o montante a ser repartido.

O resultado de 2023 se soma aos mais R$ 25,7 bilhões de economia comparativa de juros, tarifas e taxas propiciada pelo Sicoob aos seus usuários no mesmo período, além dos mais de R$ 4,2 bilhões de excedentes acumulados.

O diretor de Coordenação Sistêmica, Sustentabilidade e Relações Institucionais do Sicoob, Ênio Meinen, afirmou que os resultados compartilhados com os cooperados fortalecem as comunidades onde residem e empreendem.

“A distribuição direta de parte relevante dos resultados, benefício adicional à significativa economia auferida durante o ano pelos associados em decorrência da diferença de preços nos produtos e serviços cooperativos, é mais do que uma prática eventual, é um compromisso associado à essência do cooperativismo financeiro. Ao compartilhar os frutos econômicos de nosso trabalho coletivo, fortalecemos os cooperados e, por extensão, as comunidades onde residem e empreendem”, disse.

Justiça financeira

O diretor ainda disse que uma parcela dos resultados financeiros, não rateada individualmente entre cooperados, é utilizada para fortalecer a estrutura de capital da cooperativa – fundamental para os investimentos, ampliação de limites operacionais e expansão do empreendimento. Esses recursos também ampliam programas de capacitação, assistência técnica e projetos sociais nas localidades atendidas.

“Todo o excedente econômico acaba beneficiando, ainda que indiretamente, os cooperados e os territórios assistidos pelas cooperativas”, afirmou.

Meinen disse que o compartilhamento dos resultados financeiros é uma forma de promoção de justiça financeira e de auxílio no desenvolvimento local. Essa abordagem também está alinhada ao sétimo princípio cooperativista, que enfatiza o compromisso com o bem-estar da comunidade, disse o diretor.

“Tão importante quanto isso é assegurar aos cooperados a ampla participação no processo de tomada de decisões. Não há ninguém melhor do que os próprios membros para definir o que é mais relevante para eles e para as suas respectivas regiões”, afirmou.

Acompanhe tudo sobre:Cooperativas

Mais de Economia

Governo abre crédito extraordinário de R$ 12,2 bilhões para o Rio Grande do Sul

Governo avalia usar saldo de Itaipu para isentar contas de luz de consumidores do Rio Grande do Sul

Efeitos das enchentes no RS na economia serão sentidos no PIB e nos preços, diz secretário

Petrobras: novo modelo de venda a distribuidoras deve reduzir preço do gás em até 10%

Mais na Exame