Acompanhe:

Serasa: inadimplência do consumidor sobe 1,5% em abril

Na comparação a abril de 2010, o percentual aumentou 17,3%

Modo escuro

Continua após a publicidade
Dívidas não bancárias e as dívidas bancárias representam juntas quase 87% do indicador (Stock.xchng)

Dívidas não bancárias e as dívidas bancárias representam juntas quase 87% do indicador (Stock.xchng)

D
Da Redação

Publicado em 11 de maio de 2011 às, 09h03.

São Paulo - A inadimplência do consumidor subiu pelo segundo mês consecutivo em abril, após ter caído no primeiro bimestre do ano. De acordo com dados da Serasa Experian, a inadimplência subiu 1,5% no mês passado em relação a março. Na comparação a abril de 2010, a inadimplência aumentou 17,3%, o que representa a 12ª elevação anual consecutiva. No acumulado de janeiro a abril, o indicador registra alta de 20,3% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Os economistas da Serasa Experian atribuem o crescimento da inadimplência ao aumento da inflação, que reduz o poder de compra da população, e ao maior endividamento das pessoas. Em comunicado, a entidade diz que "a renda cada vez mais comprometida com as dívidas e os gastos realizados em decorrência dos feriados prolongados elevaram a inadimplência do consumidor em abril". No texto, a Serasa Experian lembra que abril teve 19 dias úteis, o que contribuiu para uma elevação menor na comparação com março (21 dias úteis).

Segundo a Serasa, as dívidas não bancárias (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestação de serviços como luz e telefone, por exemplo) e as dívidas bancárias, que representam juntas quase 87% do indicador, foram as principais responsáveis pela alta da inadimplência em abril, com contribuição de 1,7% cada uma. Por outro lado, as dívidas com títulos protestados e cheques sem fundo caíram e contribuíram negativamente com 0,2% e 1,7%, respectivamente.

Valor da dívida

No primeiro quadrimestre de 2011, o valor médio das dívidas não bancárias caiu 19% e o das dívidas com bancos diminuiu 5,5%, na comparação com o mesmo período de 2010. Títulos protestados e cheques sem fundo apresentaram crescimento de 7,8% e 6,6%, respectivamente, na mesma base de comparação, de acordo com a Serasa Experian.

O valor médio da dívida não bancária foi de R$ 312,44 nos últimos quatro meses, ante média de R$ 385,51 no primeiro quadrimestre de 2010. Nas dívidas com os bancos, o valor médio caiu para R$ 1,284,76 de janeiro a abril deste ano (era de R$ 1.359,11 no mesmo período do ano passado). Nos títulos protestados, a dívida média subiu de R$ 1.161,20 para R$ 1.251,68 e nos cheques sem fundos a média passou de R$ 1.206,89 para R$ 1.286,29.

Últimas Notícias

Ver mais
Os três motivos que levam à inadimplência no Brasil, segundo o Google
seloMinhas Finanças

Os três motivos que levam à inadimplência no Brasil, segundo o Google

Há 4 horas

CVC Capital Partners quer captar US$ 1,33 bilhão em IPO – se o Oriente Médio deixar
Exame IN

CVC Capital Partners quer captar US$ 1,33 bilhão em IPO – se o Oriente Médio deixar

Há um dia

Além de óculos e relógios: Chilli Beans abre o leque e aposta em bebidas e caixas de som
Casual

Além de óculos e relógios: Chilli Beans abre o leque e aposta em bebidas e caixas de som

Há 2 dias

Tem dívidas? Mutirão dá desconto em taxa de juros e aumenta prazo de pagamento; veja como participar
seloMinhas Finanças

Tem dívidas? Mutirão dá desconto em taxa de juros e aumenta prazo de pagamento; veja como participar

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais