Acompanhe:

Senado vota até amanhã projetos que podem render até R$ 22 bi ao governo

Pacheco sinalizou abertura para discutir MP que pode entregar até R$ 35 bilhões ao Ministério da Fazenda

Modo escuro

Continua após a publicidade
Senado: a previsão foi dada pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que viaja nesta semana, a convite do presidente Lula, para a cúpula do clima (COP 28) (Lula Marques/Agência Brasil)

Senado: a previsão foi dada pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que viaja nesta semana, a convite do presidente Lula, para a cúpula do clima (COP 28) (Lula Marques/Agência Brasil)

O projeto de taxação de fundos de investimentos exclusivos (voltados para alta renda) e offshore (no exterior), além da proposta que vai tributar empresas de apostas on-line, devem ser votados no plenário do Senado até quarta-feira.

A previsão foi dada pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que viaja nesta semana, a convite do presidente Lula, para a cúpula do clima (COP 28), na Arábia Saudita e Emirados Árabes.

A taxação de fundos exclusivos e offshores deve render até R$ 20 bilhões ao governo, enquanto a regulamentação das apostas on-line pode dar ao governo R$ 2 bilhões em 2024. A soma chega a R$ 22 bilhões.

As sessões que vão votar os dois projetos de arrecadação para o governo serão presididas pelo vice-presidente do Senado, Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB). O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também não estará no Brasil nos próximos dias, já que viaja com Lula.

— Seguem na pauta dessa semana (offshore e apostas), sessão será presidida pelo meu vice-presidente. Estão na pauta de quarta-feira. Viajo hoje a convite de Lula — disse o presidente do Senado.

Benefícios de ICMS

Pacheco ainda disse ser “sensível” a necessidade de aprovação da medida provisória, mas que não está definido o caminho legislativo a seguir pelos dois.

— Conversamos a respeito (ele e Haddad). Estamos sensíveis a isso, buscando encontrar um caminho legislativo de convergência — afirmou.

A equipe econômica tenta convencer os deputados a votarem um dos principais projetos de arrecadação do ano, a medida provisória (MP) que aumenta a tributação de grandes empresas que possuem benefícios fiscais de ICMS, e pode render R$ 35 bilhões.

O ministro da Fazenda sugeriu que o montante de tributos não quitados no passado possam ter um desconto, a partir de 65%, e um pagamento parcelado.

A proposta prevê o fim de isenções fiscais em impostos federais para atividades de custeio em empresas que possuem incentivos estaduais de ICMS. A ideia tem sofrido resistência de deputados. Eles avaliam que estados que investiram nas renúncias fiscais para atrair companhias, podem sair perdendo

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Setores se unem em manifesto contra a reoneração da folha de pagamentos
Economia

Setores se unem em manifesto contra a reoneração da folha de pagamentos

Há 3 horas

Dirigente do BoE destaca inflação de serviços, mas fala em espaço para normalizar juros
Economia

Dirigente do BoE destaca inflação de serviços, mas fala em espaço para normalizar juros

Há 5 horas

Campos Neto diz que economistas subestimeram crescimento do país nos últimos anos: 'Péssima pedida'
Economia

Campos Neto diz que economistas subestimeram crescimento do país nos últimos anos: 'Péssima pedida'

Há 6 horas

IIF: Dívida global atinge valor recorde de US$ 313 trilhões, ou 330% do PIB do mundo
Economia

IIF: Dívida global atinge valor recorde de US$ 313 trilhões, ou 330% do PIB do mundo

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais