• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Sem carnaval, economia do Rio poderá perder R$ 5,5 bilhões

O valor representa 1,4% do Produto Interno Bruto da capital fluminense, conforme estudo da FGV
 (Divulgação/Fernando Maia/Riotur)
(Divulgação/Fernando Maia/Riotur)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 11/02/2021 19:30 | Última atualização em 11/02/2021 19:07Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A economia do Rio poderá perder cerca de R$ 5,5 bilhões com o cancelamento dos festejos do carnaval, medida adotada para tentar conter a pandemia de covid-19. O valor representa 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB) da capital fluminense, conforme estudo dos pesquisadores Claudio Considera e Juliana Trece, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Não fosse o cancelamento dos festejos, a economia do Rio movimentaria R$ 4,4 bilhões decorrentes de gastos dos turistas brasileiros - com uma permanência média de 6,6 dias, e gastando em média R$ 280,32 por dia -, e estrangeiros - estadia média de 7,7 dias, com gasto médio de R$ 334,01 por dia.

Mais R$ 1 bilhão deixará de ser movimentado por gastos de moradores tanto da capital quanto da região metropolitana.

"É importante ressaltar que para a festa acontecer no início do ano há milhares de profissionais trabalhando o ano inteiro, que se viram sem qualquer renda em 2020 quando tudo parou. Ou seja, o evento faz a economia rodar, gerando emprego e renda", disse Considera, pesquisador associado do FGV Ibre, em nota.

Para o estudo, os pesquisadores do Ibre/FGV usaram dados de uma pesquisa realizada pela FGV para o Ministério do Turismo, sobre o fluxo e os gastos de turistas, estrangeiros e brasileiros, para o Rio durante carnavais passados.