• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Robôs podem matar um terço dos empregos até 2030, segundo PwC

Mudança pode ser vertiginosa e alguns setores e categorias serão mais afetados - mas boas políticas podem suavizar o processo
O efeito dos robôs sobre o nível de emprego total é muito incerto (Reuters/Jeff J Mitchell)
O efeito dos robôs sobre o nível de emprego total é muito incerto (Reuters/Jeff J Mitchell)
Por João Pedro CaleiroPublicado em 27/03/2017 13:23 | Última atualização em 27/03/2017 18:02Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - A robótica e a inteligência artificial podem eliminar uma boa parte dos empregos em um futuro próximo, de acordo com um novo estudo da consultoria PwC.

O percentual de vagas vulneráveis até 2030 vai de 21% no Japão a 30% no Reino Unido, 35% na Alemanha e 38% nos Estados Unidos. Não foi feita estimativa para o Brasil.

Mas o efeito sobre o nível de emprego total é muito incerto, já que os robôs também farão com que novas vagas sejam criadas no setor de tecnologia.

Além disso, os ganhos em produtividade e queda de preços também vão gerar uma riqueza que será reinvestida de alguma forma na economia.

Mas nesse processo, alguns vão sofrer mais do que outros, o que pode já estar aumentando a desigualdade.

No caso do Reino Unido, a estimativa da PwC é que o risco de ser substituído por um robô vai de 12% para quem tem nível universitário a 46% para quem tem o ensino médio incompleto.

Isso sugere que uma boa forma de suavizar esse processo é investindo pesadamente em educação e treinamento da força de trabalho.

O percentual de vagas sob risco de automação varia entre áreas como educação (9%) e saúde (12%) até outras como manufatura (46%) e transporte (56%).

Só porque um trabalhador pode ser substituído por um robô não significa, é claro, que ele será. A eficiência de fazer isso dependerá da evolução tanto dos salários humanos quanto dos custos da robótica.

E há propostas na mesa para manipular esses incentivos. Bill Gates, fundador da Microsoft, defendeu recentemente a cobrança de impostos extras de quem automatizar serviços.

No Vale do Silício, é popular a ideia de uma renda mínima universal que sustente os excluídos pela tecnologia e mantenha o consumo girando.

Debate

Parte dos economistas aponta que esse temor de que novas técnicas e tecnologias matem empregos é uma constante através dos séculos, mas que a história acabou provando que novas funções sempre acabam substituindo as eliminadas.

Tyler Cowen, professor da George Mason University, escreveu em uma coluna recente na Bloomberg View que essa adaptação é muito dura e que a visão histórica não tem nada de reconfortante.

A revolução industrial criou muita riqueza e transformou o mundo, mas demorou décadas para que seus benefícios chegassem aos trabalhadores britânicos.

“A substituição dos empregos agrícolas, apesar de eventualmente ter sido uma dádiva para a humanidade, trouxe problemas significativos pelo caminho. Dessa vez provavelmente não será diferente, e é exatamente por causa disso que deveríamos nos preocupar”.

Um estudo recente de Daniel Susskind, da Universidade de Oxford, questiona alguns pressupostos da literatura sobre o tema e também concluí que o perigo é ainda maior do que o previsto.