Economia

Reforma tributária: advogados, médicos e engenheiros vão pagar alíquota reduzida; veja detalhes

O foco são os profissionais que não se enquadram no regime Simples, que teriam um aumento de carga tributária com o texto aprovado pela Câmara

Reforma tributária: relator incluiu um regime diferenciado para os profissionais liberais (Geraldo Magela/Agência Senado)

Reforma tributária: relator incluiu um regime diferenciado para os profissionais liberais (Geraldo Magela/Agência Senado)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 25 de outubro de 2023 às 12h49.

Última atualização em 25 de outubro de 2023 às 12h58.

O relator da reforma tributária, senador Eduardo Braga (MDB-AM), definiu que os profissionais liberais terão alíquota de imposto diferenciada. O texto divulgado nesta quarta-feira, 25, definiu um valor reduzido em 30% da alíquota padrão.

Com isso, se a alíquota definida for de 27%, por exemplo, esses profissionais vão pagar apenas 18,9%. O foco são os profissionais que não se enquadram no regime Simples, que teriam um aumento de carga tributária com o texto aprovado pela Câmara.

A alíquota menor para os profissionais liberais foi anunciada ontem pelo relator, após reunião com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Ele disse que a proposta foi discutida com os setores afetados, como a OAB. Além dos profissionais liberais, setores como educação, saúde e insumos agrícolas também terão regimes diferenciados com alíquota reduzida. 

Fundo de desenvolvimento com R$ 60 bilhões

O parecer apresentado propõe que oFundo de Desenvolvimento Regional(FDR) terá R$ 60 bilhões até 2043. O texto aprovado na Câmara previa R$ 40 bilhões. O Comitê Nacional de Secretários Estaduais da Fazenda (Comsefaz) e os governadores reivindicavam algo entre R$ 75 bilhões e R$ 80 bilhões.

O que vai mudar com a reforma tributária?

O objetivo da Reforma Tributária é simplificar o sistema de impostos no Brasil. O projeto de lei unifica impostos federais, estaduais e municipais, além de buscar a redução de custos para empresas. Os dois tributos federais (PIS e Cofins) serão substituídos por uma Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), gerida pela União; e outros dois tributos (ICMS e ISS) pelo Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), gerido por estados e municípios. Já o IPI vai virar um imposto seletivo.

Acompanhe tudo sobre:Reforma tributáriaAdvogadosImpostos

Mais de Economia

Governo avalia usar saldo de Itaipu para isentar contas de luz de consumidores do Rio Grande do Sul

Efeitos das enchentes no RS na economia serão sentidos no PIB e nos preços, diz secretário

Petrobras: novo modelo de venda a distribuidoras deve reduzir preço do gás em até 10%

Petrobras anuncia redução nos preços do gás natural

Mais na Exame