Economia

Província chinesa é pressionada a reduzir produção de aço

A província de Hebei está sob pressão para produzir 20% menos aço até 2020


	Siderúrgica na China: limites impostos ao setor siderúrgico de Hebei é visto como essencial para fortalecer as fabricantes estatais de aço
 (REUTERS/China Daily)

Siderúrgica na China: limites impostos ao setor siderúrgico de Hebei é visto como essencial para fortalecer as fabricantes estatais de aço (REUTERS/China Daily)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de fevereiro de 2013 às 09h38.

Pequim/Xangai - A província de Hebei, grande produtora de aço da China, está sob pressão para produzir 20 por cento menos até 2020, como parte de um novo plano para eliminar pequenas siderúrgicas e diminuir o excesso de capacidade, disse uma fonte do mercado com direto conhecimento dos planos.

Impor limites ao fragmentado setor siderúrgico de Hebei há muito tempo é visto como essencial para os esforços da China de fortalecer as fabricantes estatais de aço, minimizar o excesso de capacidade e aumentar o poder de negociação de preço no mercado mundial de minério de ferro.

Hebei pode ter que reunir o setor em 15 grandes siderúrgicas e cortar pelo menos 50 milhões de toneladas em capacidade, para cerca de 200 milhões, disse a fonte à Reuters nesta quarta-feira.

Segundo a imprensa local, essas 15 companhias incluiriam a Hebei Iron and Steel Group, o maior conglomerado de aço da China, e a Shougang, que trocou Pequim por Hebei.

Os planos devem ser apresentados em breve às autoridades para aprovação, disse a fonte sob condição de anonimato.

No ano passado, Hebei produziu cerca de 172 milhões de toneladas de aço, quase 24 por cento da produção nacional.

Acompanhe tudo sobre:acoEmpresas estataisIndústriaMinérios

Mais de Economia

Exclusivo: Sky fecha parceria com Amazon para vender internet por satélite no Brasil

STF decide que Receita não pode cobrar tributação do terço de férias antes de agosto de 2020

Análise: Haddad precisa de uma vitória política

TCU aprova contas do governo Lula em 2023, mas aponta distorções de R$ 20 bi

Mais na Exame