Acompanhe:

Produtividade brasileira não cresce desde 1980, diz estudo

Entre 1950 e 1980, a renda per capita no Brasil cresceu com base na produtividade - que estagnou até hoje, segundo o Credit Suisse

Modo escuro

Continua após a publicidade
Construção: registrou aumento da confiança empresarial em julho  (Dado Galdieri/Bloomberg)

Construção: registrou aumento da confiança empresarial em julho (Dado Galdieri/Bloomberg)

J
João Pedro Caleiro

Publicado em 9 de março de 2017 às, 06h00.

Última atualização em 9 de março de 2017 às, 11h05.

São Paulo - A produtividade brasileira está estacionada desde 1980, de acordo com um estudo publicado ontem pelo banco Credit Suisse.

O zero a zero após três décadas e meia é resultado da volatilidade da medida, que alternou períodos de crescimento e de queda.

Entre 1981 e 1990, a produtividade por trabalhador caiu 2% em média por ano. De 1991 a 2000, subiu 1,6% anualmente na mesma medida.

O dado continuou positivo entre 2001 e 2010, mas o ritmo caiu para 1,2% ao ano. Entre 2011 e 2016, voltou a ser negativo, agora com taxa média de 1,1% por ano.

Tudo isso em contraste com o período anterior, entre 1950 e 1980, quando a produtividade do trabalho cresceu a uma média anual de 3,5%.

Naquelas décadas, foi esse o principal fator responsável pelo crescimento expressivo da renda per capita do país (3,9% por ano, em média).

Era uma época de urbanização acelerada, em que a própria migração dos trabalhadores de setores menos produtivas (como agropecuária) para outros mais produtivos (como indústria e, cada vez mais, serviços) já levava a uma produtividade maior.

Dos anos 80 para cá, o processo esfriou e a produtividade estagnou. A baixa adoção de tecnologias e distorções tributárias que levam a uma alocação ineficiente de recursos são outros fatores citados.

Ainda assim, a renda per capita cresceu 0,7% por ano em média desde então, o que pode ser explicado por outro fator: a inserção de pessoas no mercado de trabalho.

Mesmo que o resultado por trabalhador não cresça, fazer com que mais pessoas produzam já é suficiente para aumentar o bolo. O problema é que esse processo também tem limites naturais e já está se esgotando.

"Os resultados sugerem que o crescimento da renda per capita no Brasil será ainda mais dependente da dinâmica da produtividade nos próximos anos", diz o texto do banco.

Esse também é o diagnóstico de Armando Castelar, coordenador de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Em entrevista recente para EXAME.com, ele elegeu a produtividade como a grande responsável pelo baixo potencial de crescimento do país:

"A produtividade é baixa e caiu em relação ao padrão internacional. E se ela não cresce, combinada com uma transição demográfica que faz com que a população em idade de trabalhar cresça mais devagar, o potencial de crescimento fica menor. A equação dos 2% a 3% [de potencial] vem daí, mas não é uma regra biológica ou escrita em pedra. Se conseguir fazer reformas, consegue crescer mais."

Últimas Notícias

Ver mais
Renda domiciliar per capita sobe para R$ 1.893 em 2023, alta de 16,7%
Economia

Renda domiciliar per capita sobe para R$ 1.893 em 2023, alta de 16,7%

Há 2 dias

Bia Félix: 10 dicas práticas para ser mais criativo
Um conteúdo Bússola

Bia Félix: 10 dicas práticas para ser mais criativo

Há uma semana

Cade aprova venda de fundos imobiliários do Credit Suisse para Pátria Investimentos
seloMercados

Cade aprova venda de fundos imobiliários do Credit Suisse para Pátria Investimentos

Há 2 semanas

Mais resultado, menos burnout: veja 5 métodos para aumentar a sua produtividade pós-Carnaval
seloCarreira

Mais resultado, menos burnout: veja 5 métodos para aumentar a sua produtividade pós-Carnaval

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais