Economia

Produção industrial retoma crescimento e emprego segue em alta, mostra sondagem da CNI

Segundo a pesquisa, grandes e médias empresas industriais recuperaram o ritmo de produção no mês passado

Indústria: CNI mostra que indicador de evolução da produção chegou a 51 pontos (VCG/Getty Images)

Indústria: CNI mostra que indicador de evolução da produção chegou a 51 pontos (VCG/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 19 de abril de 2024 às 12h02.

A produção industrial retomou o crescimento em março e o emprego do setor segue em alta. É o que mostra a Sondagem Industrial de março, divulgada nesta sexta-feira, 19, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Segundo a pesquisa, grandes e médias empresas industriais recuperaram o ritmo de produção no mês passado e o indicador de evolução da produção chegou a 51,0 pontos, um crescimento de 2,5 pontos em relação a fevereiro, quando o índice estava em 48,5 pontos.

O índice de evolução do número de empregados atingiu 50,4 pontos em março e segue dois pontos acima da média para o período do ano, segundo a CNI.

"A indústria começou 2024 com o mercado de trabalho aquecido e as pesquisas mostram que essa tendência continua. Entretanto, apesar das altas na produção e no emprego, a demanda interna ainda é um problema para os empresários industriais", afirma o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

Apesar da melhora no indicador de produção, os empresários da indústria demonstraram insatisfação com a situação financeira no início deste ano. O indicador de satisfação caiu 1,6 ponto em relação ao último trimestre de 2023, de 51,1 pontos em fevereiro para 49,4 pontos em março deste ano.

Na Sondagem, os indicadores variam de zero a 100 pontos, sendo que resultados abaixo de 50 pontos indicam queda, ou no caso específico de indicação de satisfação, significa que os empresários mudaram a percepção para insatisfação em relação ao lucro.

O índice de evolução do preço de matérias-primas subiu 2 pontos, de 54,8 para 56,8 pontos, em março, indicando uma percepção de alta de preços mais intensa e disseminada. Dessa forma, destaca a CNI, a falta ou alto custo da matéria-prima voltou ao ranking de principais problemas apontados pela indústria.

O item ficou em terceira posição entre os obstáculos apontados pelos entrevistados, com 19,6% das respostas. No último trimestre de 2023, essa adversidade estava em sexta posição. O principal item apontado como entrave pela indústria continua sendo a elevada carga tributária, com 35,7% dos apontamentos. Em segundo, segue a demanda interna insuficiente, assinalada por 30 6%.

UCI

A Sondagem mostra que a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) em março se manteve estável em 68%, pelo segundo mês consecutivo. Na comparação com a série histórica, esse porcentual é o esperado para o mês.

Estoques

O levantamento mostrou ainda alta dos estoques na passagem de fevereiro para março. O índice de evolução dos estoques ficou em 50,4 pontos. Mesmo com a alta dos estoques, assina a CNI, eles estão abaixo do nível esperado pela indústria, o que mostra o índice de estoque efetivo em relação ao planejado, que ficou em 49,8 pontos. Segundo os dados da Sondagem, este é o quarto mês consecutivo em que não é registrado excesso de estoque.

Expectativas

A Sondagem mostra que, em abril, os indicadores de expectativa de quantidade exportada, de compras de matérias-primas e de demanda avançaram. Já a expectativa do número de empregados na indústria se manteve estável. O indicador de intenção de investimento chegou a 57,0 pontos este mês, um avanço de 0,5 ponto em relação a março.

A Sondagem Industrial entrevistou 1.576 empresas de pequeno, médio e grande porte por mês. As entrevistas foram feitas entre os dias 1º e 9 de abril.

Acompanhe tudo sobre:CNI – Confederação Nacional da IndústriaIndústriaEmpregos

Mais de Economia

Presidente do BNDES quer taxas menores para linha de crédito para reconstrução do RS

Congresso tem toda a legitimidade de disciplinar compras internacionais por lei, afirma Haddad

Governo define que casas de apostas devem se regularizar até o fim de 2024 para funcionar no Brasil

Haddad diz que nível do IVA será menor que os impostos atuais

Mais na Exame