Acompanhe:

Petróleo, conflitos e desafios tecnológicos em Davos 2015

Queda dos preços do petróleo, o fim do "superciclo" das commodities e os estragos recentes do jihadismo devem dominar debates no Fórum Econômico Mundial

Modo escuro

Continua após a publicidade
Logo do Fórum Econômico Mundial é visto na janela do centro de convenções de Davos, na Suíça (Christian Hartmann/Reuters)

Logo do Fórum Econômico Mundial é visto na janela do centro de convenções de Davos, na Suíça (Christian Hartmann/Reuters)

A
Alvaro Villalobos

Publicado em 19 de janeiro de 2015 às, 15h24.

Paris - A queda dos preços do petróleo, o fim do "superciclo" das commodities e os estragos recentes do jihadismo na França, na Nigéria e no Oriente Médio devem dominar grande parte dos debates no Fórum Econômico Mundial, que se inicia na quarta-feira na cidade suíça de Davos.

Mais de 2.500 participantes de 140 países, incluindo mais de quarenta chefes de Estado e de governo e um enorme grupo de empresários, terão a oportunidade, de quarta a sábado, de analisar a atual crise econômica, política e tecnológica, expandir a sua rede de contatos e explorar possíveis contratos e acordos.

Estarão protegidos, como todos os anos, por um impressionante esquema de segurança dotado com cerca de 3.000 militares e numerosos policiais.

A queda acentuada dos preços do petróleo, um quebra-cabeça para os países produtores, será uma das questões centrais desta 45ª edição.

A queda generalizada dos preços das matérias-primas, depois de um "superciclo" de 12 anos, será abordada nas discussões sobre as perspectivas para a América Latina, que estará representada por grandes delegações do Brasil, México, Colômbia, Peru e Panamá.

Além de vários ministros, dois presidentes da região estarão presentes: o peruano Ollanta Humala e o panamenho Juan Carlos Varela.

O novo ministro da Fazenda do Brasil, Joaquim Levy, será ouvido com especial atenção por parte dos líderes e empresários reunidos nos alpes, ansiosos para saber os caminhos a serem seguidos pela economia brasileira, estagnada e com uma elevada inflação, que em novembro ultrapassou o teto de 6,5%.

Nos debates previstos, os BRICS terão um menor destaque do que nas edições anteriores, em um contexto delicado para este grupo de grandes emergentes, reflexo de uma forte desaceleração, e onde a Rússia, às portas da recessão, parece particularmente enfraquecida pela queda dos preços do petróleo e as sanções ocidentais impostas por seu papel no conflito na Ucrânia.

Conflitos

Precisamente, os conflitos, com especial atenção para as guerras no Iraque e na Síria, terão um espaço de destaque nos auditórios, tribunas e corredores.

"O terrorismo e a geopolítica farão sombra sobre o Fórum Mundial deste ano. Ambos representam ameaças para a estabilidade política na Europa, Oriente Médio e África. As negociações entre os líderes do Fórum irão se concentrar nesses aspectos, certamente", declarou à AFP o economista-chefe do gabinete IHS, Nahriman Behravesh.

A edição de 2015 acontece pouco depois dos ataques jihadistas em Paris e da última grande ofensiva do grupo islamita nigeriano Boko Haram, que realizou no noroeste do país o pior massacre desde o início de sua sangrenta insurgência há seis anos.

Outra questão quente será a das desigualdades econômicas. A Oxfam previu nesta segunda-feira que os recursos acumulados pelo 1% mais rico do planeta ultrapassarão a riqueza do resto da população em 2016, e por isso insta os líderes internacionais a trabalhar para diminuir as desigualdades.

Para discutir essas questões, entre outras, estarão em Davos o primeiro-ministro iraquiano, Haidar al Abadi, o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, o ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, e o líder do Curdistão iraquiano, Massud Barzani.

Também viajarão à Suíça o secretário de Estado americano, John Kerry, o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, o seu homólogo chinês, Li Keqiang, e o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko.

Do lado europeu, haverá uma representação significativa, incluindo o presidente francês, François Hollande, a chanceler alemã, Angela Merkel, e primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi.

Atenção à Europa

A interminável crise da Eurozona, ameaçada de deflação e com crescimento muito baixo, também serão abordados.

As discussões deste ano vão focar em dois importantes eventos: a reunião do BCE na quinta-feira 22 de janeiro, após a qual o zona do euro poderia anunciar um ambicioso plano para compra de ativos financeiros, e as eleições gregas no domingo dia 25, que podem ser vencidas pelo partido de esquerda Syriza, contrário às medidas de austeridade e que planeja uma ampla reestruturação da dívida pública.

Também serão discutidas futuras revoluções tecnológicas e científicas, com participantes como Jack Ma, fundador da plataforma de vendas online Alibaba, a CEO da General Motors, Mary Barra, e a do Yahoo, Marissa Mayer.

Ao seu lado estarão os chefes das principais organizações econômicas internacionais, como o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, a diretora do FMI, Christine Lagarde, e vários bancos centrais, incluindo do Japão, Inglaterra, Brasil e México.

Últimas Notícias

Ver mais
Por que o dólar está subindo tanto? 3 fatores que explicam a alta da moeda
seloMercados

Por que o dólar está subindo tanto? 3 fatores que explicam a alta da moeda

Há 5 horas

Estoques de petróleo nos EUA sobem 2,735 milhões de barris, revela DoE
Economia

Estoques de petróleo nos EUA sobem 2,735 milhões de barris, revela DoE

Há 7 horas

Ministro diz que em reunião com Nunes reforçou disposição para ajustes no setor de distribuição
Brasil

Ministro diz que em reunião com Nunes reforçou disposição para ajustes no setor de distribuição

Há 7 horas

EUA decidem se reativam as sanções petrolíferas contra Venezuela por bloqueio à oposição
Mundo

EUA decidem se reativam as sanções petrolíferas contra Venezuela por bloqueio à oposição

Há 8 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais