Economia

Petrobras gera demanda de 4 mi de toneladas de aço até 2015

Essa demanda representa mais que um terço da produção brasileira de aços planos nos 12 meses até fevereiro

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de abril de 2010 às 22h53.

São Paulo - O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, afirmou nesta quinta-feira que os projetos atuais da estatal, sem incluir o desenvolvimento da camada pré-sal, vão demandar 4 milhões de toneladas de aço até 2015, na forma de cascos de navio, plataformas, sondas, tubos e equipamentos.

Essa demanda representa mais que um terço da produção brasileira de aços planos nos 12 meses até fevereiro, de 13,2 milhões de toneladas, segundo dados exibidos por Gabrielli.

"Isso vai exigir investimentos para adequação (da indústria siderúrgica) para tipos especiais de aços", afirmou Gabrielli durante o Congresso Brasileiro do Aço.

Somente em tubos para condução, os ativos atuais da Petrobras exigirão 911,94 mil toneladas de aços carbono, inox e ligas, no maior volume da previsão de demanda da estatal. Plataformas consumirão 832 mil toneladas enquanto cascos de navios mais 656,85 mil toneladas.

Gabrielli comentou ainda que em 2009 os equipamentos contratados pela Petrobras tiveram um índice de conteúdo nacional de 75 por cento, ficando acima das metas da empresa, o "que significa que a indústria nacional respondeu mais rápido do que pedimos". Em 2003, o índice foi de 57 por cento.

Quando perguntado sobre reajustes nos preços do aço após o salto de cerca de 100 por cento nos preços do minério de ferro, Gabrielli afirmou que espera "que os fornecedores não repassem isso para nós. É evidente que é uma preocupação, mas esperamos que o impacto para nós (da alta dos preços do aço) seja mínimo", disse.

Acompanhe tudo sobre:Capitalização da PetrobrasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisIndústriaIndústria do petróleoInvestimentos de empresasPetrobrasPetróleoSiderurgia e metalurgia

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Plano Real, 30 anos: dinheiro ainda é base de transações, mas 41% dos brasileiros preferem Pix

STF tem maioria para alterar Reforma da Previdência: veja o que pode mudar para servidores públicos

Copom: em decisão unânime, BC mantém Selic em 10,5% e põe fim ao ciclo de cortes

Mais na Exame