Economia

Para FMI, situação na Argentina continua 'muito desafiadora e complexa'

Diretora do Fundo, Julie Kozack, afirma que as reservas são baixas e as condições sociais são frágeis

Argentina: moeda do país tem se desvalorizado diante de incessantes crises na economia (Stuart Dee/Getty Images)

Argentina: moeda do país tem se desvalorizado diante de incessantes crises na economia (Stuart Dee/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 28 de setembro de 2023 às 15h09.

A diretora de Comunicações do Fundo Monetário Internacional (FMI), Julie Kozack, afirmou nesta quinta-feira, 28, que a situação na Argentina continua "muito desafiadora e complexa". "A inflação está alta, muito alta e está subindo. As reservas são baixas e as condições sociais são frágeis", disse ela, em coletiva de imprensa.

Na sua visão, as recentes medidas anunciadas na Argentina aumentam os desafios do país. "Estamos trabalhando para compreender e avaliar melhor o impacto das medidas recentes e, em seguida, a necessidade de ações compensatórias que possam ser tomadas para reforçar a estabilidade e salvaguardar os objetivos do programa do Fundo", disse Kozack.

Fique por dentro das últimas notícias no WhatsApp da Exame. Inscreva-se aqui 👉 https://t.ly/6ORRo

Quanto à possibilidade de o FMI revisar novamente o acordo com a Argentina, ela afirmou que ainda é muito cedo. O programa de US$ 44 bilhões já foi revisado seis vezes. Nas últimas mudanças, foi liberado o desembolso de US$ 7,5 bilhões.

Ela afirmou que o objetivo do FMI continua sendo ajudar a Argentina a salvaguardar a estabilidade e a proteger os mais vulneráveis durante estes "tempos difíceis". "É do interesse do Fundo e dos seus membros continuar a trabalhar em conjunto com a Argentina com um consenso político e social tão mais amplo quanto possível para ajudar a garantir a estabilidade e a prosperidade do país."

Sobre o plano de dolarizar a Argentina, proposto pelo candidato ultraliberal Javier Milei, Kozack disse que isso exige "passos preparatórios importantes" e não substitui a necessidade de políticas macroeconômicas sólidas na Argentina.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaFMICrise econômica

Mais de Economia

Alckmin pede que deputados retirem taxação de importados do Mover

Como funciona o voo de 25 horas que liga São Paulo a Pequim

BNDES está discutindo com a Fazenda linha especial para reconstrução do RS, diz Barbosa

Boletim Focus: mercado consolida desancoragem de expectativas de inflação e espera juros mais altos

Mais na Exame