A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Pandemia tem custo de R$ 6 bi para prefeitura de São Paulo

O valor é 25% superior ao total estimado para novos investimentos em 2021, o que pressiona o orçamento e consome parte do superávit acumulado

O impacto da pandemia de covid-19 nas contas da prefeitura de São Paulo já alcança 6 bilhões de reais. Este montante é a soma dos gastos na área da Saúde com programas sociais até o mês de maio. O valor é 25% superior ao total estimado para novos investimentos em 2021, o que pressiona o orçamento, consome parte do superávit acumulado em outros exercícios e avança sobre receitas extraordinárias, como o pagamento parcelado de dívidas pelos contribuintes.

Com 77 metas a cumprir até 2024, a atual gestão - agora sob o comando de Ricardo Nunes (MDB) - tem remanejado verbas previstas para custear a abertura de novos leitos hospitalares, a entrega de cestas básicas à população mais vulnerável e a compra de tablets para alunos da rede municipal acompanharem o ensino remoto. Há pressão ainda para ampliar o subsídio com o transporte em mais de 600 milhões de reais.

A Saúde, obviamente, é a área mais impactada. Depois de ver apenas o custeio com os serviços ano passado crescer de 8,8 bilhões para 11 bilhões de reais (em valores empenhados), o recrudescimento da pandemia exigiu novas suplementações emergenciais e a previsão é fechar este ano com 12 bilhões de reais de empenho - 22,5% a mais que o orçado inicialmente.

Superávits

De acordo com o secretário municipal da Fazenda, Guilherme Bueno de Camargo, as despesas adicionais estão sendo custeadas, em sua maior parte, por superávits de exercícios anteriores. “Para o restante do exercício contaremos também com o incremento na arrecadação causada pela recuperação econômica mais rápida e, em especial, pelas receitas decorrentes do Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) que será aberto pela Prefeitura”, disse.

Além do PPI, que tem previsão de arrecadar 400 milhões de reais, a secretaria também trabalha com a realização de outras receitas extraordinárias, como leilões de Cepacs (títulos imobiliários expedidos pelo município que autorizam construções acima dos limites permitidos) e o pagamento de outorgas derivadas de concessões já realizadas - caso da Zona Azul - e ainda a serem finalizadas, como o Autódromo de Interlagos.

O prefeito Ricardo Nunes (MDB) afirmou que o Município não “mediu esforços” para colocar os recursos necessários à disposição para o enfrentamento da pandemia. Oficialmente prefeito desde 16 de maio, Nunes pagou mais três parcelas de auxílio emergencial este ano, mas não prorrogou o benefício. Segundo ele, o motivo foi a pressão do custeio da Saúde nas contas e o recrudescimento da pandemia em 2021, que mantém a rede hospitalar sempre perto dos 80% de ocupação.

Repasses federais. Contrariando as previsões iniciais, a capital fechou 2020 no azul em função de uma melhora na arrecadação do segundo semestre e pelos auxílios repassados pela União, tanto em repasses de receitas extraordinárias quanto com a suspensão do pagamento da dívida com a União. Mas, desde janeiro, a participação do governo federal nas contas municipais vem caindo.

Segundo Camargo, os valores de transferências da União, exceto os repasses constitucionais (como os do Fundeb, por exemplo), somaram 1,5 bilhão de reais no período de janeiro a maio de 2021, o que representa uma queda de 4,3% em relação ao mesmo período de 2020. “Entre as transferências correntes (para custeio dos serviços), a queda foi de 4,2%, o que inclui principalmente Saúde (SUS) e Educação. Nas transferências de capital (para investimentos), a baixa foi de 10%.” Procurado, o Ministério da Economia não havia respondido à reportagem até a conclusão desta edição.

Apesar da queda nos repasses federais, São Paulo mantém a previsão de investir 4,5 bilhões de reais este ano, mesmo valor empenhado em 2020. O “otimismo”, de acordo com a Secretaria da Fazenda, é resultado do aumento da arrecadação tributária da cidade no acumulado de janeiro a maio de 2021: 23 bilhões de reais, o que representa expansão nominal de 17,9% e real de 11,3% em relação ao mesmo período do ano anterior quando descontada a inflação medida pelo IPCA-IBGE.

Camargo reconhece que o bom desempenho se deve, em parte, à base de comparação do ano passado, fortemente afetada pelas restrições impostas pela pandemia - em 2020, o recuo foi de 2% no mesmo período. Mas afirma que há sinais concretos de recuperação nos três principais tributos administrados pelo município: IPTU, ITBI e ISS.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também