Economia

País pode ter inflação maior que o esperado por causa da tragédia climática no RS, diz Campos Neto

Presidente do BC disse que observa com cautela qual será o custo de reconstrução do Rio Grande do Sul e como isso pode impactar o quadro fiscal brasileiro

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (Andre Coelho/Bloomberg via/Getty Images)

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (Andre Coelho/Bloomberg via/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 24 de maio de 2024 às 16h56.

Última atualização em 24 de maio de 2024 às 17h17.

Tudo sobreBanco Central
Saiba mais

A alta dos alimentos devido à tragédia climática no Rio Grande do Sul, que representa 6,5% do produto interno bruto do país, pode levar o Brasil a ter uma inflação mais elevada que o esperado.

A constatação é do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que participou nesta sexta-feira do X Seminário Anual de Política Monetária, promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O estado é responsável por 12,7% do PIB do agronegócio, produzindo 99% da safra brasileira de canola, 73% de aveia, 71% de arroz, 45% de centeio e 40% de trigo.

"Apesar de a safra de arroz já ter sido colhida, teve o problema de o solo ser danificado, de a logística ser danificada... aveia, arroz e trigo são as coisas que mais afetam o IPCA", apontou o presidente do BC.

Embora ainda não seja possível dimensionar o impacto dos alagamentos, Campos Neto se mostrou preocupado e destacou que os países com perspectiva de menor inflação para 2024 e 2025 têm preço da alimentação mais controlado.

Campos Neto também deixou claro que observa com cautela qual será o custo de reconstrução do Rio Grande do Sul e como isso pode impactar o quadro fiscal brasileiro. Para ele, em qualquer parte do mundo, se o fiscal não estiver ajustado, os banqueiros centrais do mundo terão mais trabalho.

Para ele, porém, não há perspectiva de que a inflação de alimentos continue caindo mundo afora.

"E quanto vai custar a reconstrução do Rio Grande do Sul? Precisamos esperar para ver como isso afeta o fiscal daqui para a frente."

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralRoberto Campos NetoEnchentes no RSRio Grande do Sul

Mais de Economia

Empresas afetadas pela tragédia no RS podem solicitar crédito em linha do BNDES nesta terça

Relator da LDO de 2025 procura ministros e diz que apresentará parecer preliminar nesta quarta

Governo quer discutir distribuição extraordinária dos lucros do FGTS após julgamento

Pacheco vai ao Planalto para se reunir com Lula e discutir MP do PIS/Cofins

Mais na Exame