Economia

Orçamento de 2024 prevê R$ 129 bilhões a mais de gastos, anuncia Tebet

Valor eleva limite de despesas do governo federal para R$ 2 trilhões

Tebet: Orçamento será oficialmente encaminhado aos parlamentares pelo governo nesta quinta-feira (Diogo Zacarias/Ministério da Fazenda/Flickr)

Tebet: Orçamento será oficialmente encaminhado aos parlamentares pelo governo nesta quinta-feira (Diogo Zacarias/Ministério da Fazenda/Flickr)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 30 de agosto de 2023 às 17h18.

Última atualização em 30 de agosto de 2023 às 17h19.

A proposta orçamentária de 2024 prevê R$ 129 bilhões a mais em gastos totais, na comparação com este ano. Os dados foram antecipados pela ministra do Planejamento, Simone Tebet, em audiência no Congresso.

O Orçamento será oficialmente encaminhado aos parlamentares pelo governo nesta quinta-feira.

O Orçamento está sendo feito considerando o novo arcabouço fiscal, aprovado pelo Congresso e que será sancionado por Lula nesta quinta. Em substituição ao teto de gastos (que trava as despesas federais), o arcabouço permite que os as despesas subam acima da inflação, de acordo com o crescimento da arrecadação.

Seguindo, essa lógica, as despesas crescerão R$ 62 bilhões considerando apenas a inflação entre julho de 2022 e junho de 2023. Outros R$ 34 bilhões são de alta real, equivalente a 70% do aumento da arrecadação no mesmo período.

Além disso, a proposta orçamentária prevê R$ 32 bilhões de despesas considerando a inflação de julho a dezembro deste ano.

Dessa forma, o limite total de gastos do governo sobe para R$ 2,093 trilhões.

Esses valores serão distribuídos no Orçamento da seguinte forma (sempre considerando um adicional na comparação com os gastos deste ano):

+ R$ 51 bilhões de benefícios previdenciários

+ R$ 16 bilhões para o Benefício de Prestação Continuada (BPC)

+ R$ 23 bilhões para despesas obrigatórias com saúde

+ R$ 14 bilhões para gastos com pessoal

+ R$ 9 bilhões para emendas parlamentares

+ R$ 9 bilhões para despesas discricionárias (livres)

A ministra reforçou que o governo vai manter a meta de entregar um déficit zero no ano que vem. Mas esse valor depende do aumento da arrecadação.

Para isso, ela disse que será necessário aumentar a arrecadação em R$ 168 bilhões. E essas receitas foram apresentadas pelo ministro Fernando Haddad.

Tebet também explica que, após o atendimento de regras constitucionais (como o mínimo da Educação e da Saúde), do novo piso para Investimentos, das emendas impositivas, e despesas como o Censo e o Fundo Nacional da Criança e do Adolescente (FNCA), restam aproximadamente R$ 55 bilhões para todas as outras despesas discricionárias. Essas despesas são usadas para o dia a dia da máquina pública.

Tebet afirma que governo precisa de R$ 168 bi em receitas para zerar déficit ano que vem

Em audiência pública, nesta quarta-feira, na comissão mista de Orçamento do Congresso, a ministra do Planejamento, Simone Tebet, afirmou que o governo precisa de R$ 168 bilhões de receitas para zerar o déficit nas contas públicas no ano que vem, conforme está previsto no novo arcabouço fiscal aprovado pelo Congresso. Segundo ela, há recursos que já estão assegurados e outros que ainda não se concretizaram.

— Precisamos fazer a seguinte conta matemática: receitas menos despesas é igual a zero. Precisamos de R$ 168 bilhões de receitas — disse a ministra.

Tebet disse que o Ministério da Fazenda apresentou os números com previsão de receitas e despesas, para mostrar que é preciso cumprir a meta de déficit zero. Como exemplo de medidas que ainda precisam ser efetivadas, ela citou a volta do chamado voto de qualidade para a Receita Federal, em casos de empate nos julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF).

— A meta que estará na proposta orçamentária que vamos entregar amanhã (quinta-feira) ao Congresso é déficit zero para o ano que vem — afirmou.

Acompanhe tudo sobre:Simone-Tebeteconomia-brasileiraMinistério do Planejamento

Mais de Economia

Haddad diz que Brasil é uma “encrenca”, mas que tem potencial de ser “grande”

Brasil está pronto para acordo Mercosul e União Europeia, diz Lula

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Mais na Exame