Economia

Necessidade líquida de financiamento do Governo Geral saltou a 7 6% do PIB em 2023, diz Tesouro

Segundo o Tesouro, isso é explicado pelo aumento nominal de 12,7% da despesa em relação ao ano anterior, contra um aumento menor, de 3,1%, da receita no mesmo período

Tesouro: necessidade líquida de financiamento do governo geral saltou a 7 6% do PIB em 2023 (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Tesouro: necessidade líquida de financiamento do governo geral saltou a 7 6% do PIB em 2023 (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 26 de abril de 2024 às 11h51.

A necessidade líquida de financiamento do governo geral (que inclui governo central, estados e municípios) avançou 3,6 pontos porcentuais no ano passado, passando de 4% do PIB em 2022 para 7 6% do PIB em 2023. Segundo o Tesouro, isso é explicado pelo aumento nominal de 12,7% da despesa em relação ao ano anterior, contra um aumento menor, de 3,1%, da receita no mesmo período.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 26, pela Fazenda no Boletim de Estatísticas Fiscais do governo geral de 2023, que aponta que o valor de necessidade de financiamento das esferas públicas se concentra majoritariamente no governo central, com 6 9% do PIB, e uma parcela de 0,9% dos governos estaduais - conta que é compensada pela capacidade de financiamento dos governos municipais, de 0,2% do PIB.

No caso do governo central, o resultado reflete um aumento nominal de 11,5% da despesa e de 2,3% da receita, enquanto, nos governos estaduais, esses números tiveram avanço de 6,3% e 1%, respectivamente. "Já a capacidade líquida de financiamento da ordem de 0,2% do PIB dos governos municipais é derivada de um aumento nominal de 13,5% na despesa e de 7,2% na receita em relação a 2022", apontou a Fazenda.

O total da receita geral caiu no ano passado, de 39,5% do PIB em 2022 para 37,8% do PIB em 2023, sendo 2,6% do PIB referente a receita com juros. Essa diminuição de 1,68 ponto do PIB reflete uma redução na receita de impostos (0,77 ponto do PIB), bem como na arrecadação de contribuições sociais e de outras receitas (0 06 e 0,85 ponto do PIB, respectivamente), aponta o Boletim.

Em relação à arrecadação de impostos pelo governo central, a redução foi impulsionada pela diminuição em impostos sobre a renda, lucro e ganhos de capital, que passou de 9,0% para 8,7% do PIB, explicado principalmente pela queda na arrecadação do governo central com IRPJ e CSLL. Na esfera estadual a redução da receita deveu-se basicamente à diminuição de 0,44 ponto do PIB do ICMS no ano de 2023, influenciada por medidas implementadas ainda em 2022, como a lei que estabeleceu limites para as alíquotas de ICMS para bens e consumo como de combustíveis e energia elétrica.

"Essa redução na arrecadação do imposto persistiu em 2023, apesar do ajuste promovido por algumas unidades federadas em suas alíquotas de ICMS, com a entrada em vigor da alíquota ad rem para combustíveis, com valores fixos por unidade de medida e uniformes em todo o território nacional", observou o Tesouro.

Já no caso das despesas do governo geral, o avanço foi de 43,4% do PIB no ano anterior para 45,4% do PIB em 2023. Os gastos, por sua vez, passaram de 43,0% do PIB em 2022 para 45,0% do PIB em 2023. O Boletim ressaltou o crescimento de 1,24 ponto do PIB do gasto com benefícios previdenciários e assistenciais. Esse comportamento foi influenciado, sobretudo, pelo aumento nos pagamentos de sentenças judiciais e precatórios em 2023 pelo governo central - com o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que liberou o Executivo a pagar essas dívidas com crédito extraordinário.

Além disso, outros fatores que influenciaram o aumento da despesa com benefícios previdenciários foram o aumento de 2,8% no número de beneficiários do RGPS entre novembro de 2022 e novembro de 2023, e o crescimento real de 1,4% do salário mínimo no ano passado.

O Tesouro ainda deu destaque para o dado de investimento líquido do governo geral - resultado da diferença entre aquisição de ativos fixos e das vendas e do consumo de capital fixo -, que se manteve estável em 0,4% do PIB em 2023. Segundo o órgão, esse resultado marca o segundo ano consecutivo em que o investimento líquido do governo geral registrou um valor positivo, o que antes de 2022 não ocorria desde 2015.

Acompanhe tudo sobre:Tesouro NacionalPIB do Brasil

Mais de Economia

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Lula reclama de decisão do Banco Central sobre taxa de juros: ‘Uma pena que manteve’

Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Plano Real, 30 anos: dinheiro ainda é base de transações, mas 41% dos brasileiros preferem Pix

Mais na Exame