Mudanças climáticas podem acabar com 80 milhões de empregos até 2030

A Organização Internacional do Trabalho considera que 2,2% do total das horas trabalhadas no mundo podem acabar com o aumento da temperatura
Os dois setores mais expostos são a agricultura e a construção (Carla Gottgens/Bloomberg/Bloomberg)
Os dois setores mais expostos são a agricultura e a construção (Carla Gottgens/Bloomberg/Bloomberg)
A
AFP

Publicado em 01/07/2019 às 13:41.

Última atualização em 01/07/2019 às 13:42.

Com as mudanças climáticas, o aumento do estresse térmico na agricultura e em outros setores industriais levará, previsivelmente, a uma perda da produtividade equivalente a 80 milhões de empregos até 2030 - advertiu a Organização Internacional do Trabalho (OIT) nesta segunda-feira (1º).

Em um novo relatório, a OIT considera que 2,2% do total das horas trabalhadas no mundo poderão se perder por causa das altas temperaturas, segundo projeções baseadas em um aumento da temperatura mundial em 1,5ºC, até o final do século.

O impacto será maior no sul da Ásia e na África Ocidental, onde cerca de 5% das horas trabalhadas poderão ser perdidas para 2030, ressaltam os autores do relatório "Trabalhar em um planeta mais quente: O impacto do estresse térmico na produtividade laboral e no trabalho decente".

No total, as perdas econômicas representariam cerca de 2,4 trilhões de dólares em escala mundial.

"A grosso modo, é o equivalente à economia do Reino Unido", comparou Catherine Saget, coautora do relatório, na conversa com a imprensa.

O estresse térmico representa um calor superior ao que o corpo pode tolerar sem sofrer danos psicológicos, indica a OIT, acrescentando que costuma se produzir quando as temperaturas superam os 35ºC com uma forte umidade.

"O impacto do estresse térmico na produtividade laboral é uma consequência grave das mudanças climáticas", afirmou Saget.

"Podemos esperar um aumento das desigualdades entre países de renda alta e países de renda baixa, e que as condições trabalhistas se degradem para os mais vulneráveis, assim como os deslocamentos da população", advertiu.

Os dois setores mais expostos são a agricultura, que emprega 940 milhões de pessoas no mundo e deve representar 60% das horas de trabalho perdidas para 2030; e a construção, cuja produtividade cairia 19%.

Nicolas Maitre, economista na OIT, explicou que a Europa tampouco se livrará do impacto das mudanças climáticas nesse sentido.

"Cabe esperar mais períodos como os que tivemos ultimamente, cada vez mais frequentes e mais intensos", disse aos jornalistas, em referências às ondas de calor.

Para evitar o risco de estresse térmico, a OIT estimula a "criação de infraestruturas adequadas e de melhores sistemas de alerta precoce durante as ondas de calor".