Acompanhe:

Ministério da Economia diz que são infundadas declarações de que Brasil está quebrado

A pasta publicou neste domingo, 11, uma nota em que classifica declarações que o Brasil estaria quebrado como infundadas e incompatíveis com a realidade

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ministério da Economia: De acordo com a pasta, a Dívida Bruta do Governo Geral deverá terminar o ano representando 74% do Produto Interno Bruto (PIB) e o País terá superávit primário de R$ 23,4 bilhões, o primeiro desde 2013 (Adriano Machado/Reuters)

Ministério da Economia: De acordo com a pasta, a Dívida Bruta do Governo Geral deverá terminar o ano representando 74% do Produto Interno Bruto (PIB) e o País terá superávit primário de R$ 23,4 bilhões, o primeiro desde 2013 (Adriano Machado/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 11 de dezembro de 2022 às, 14h24.

O Ministério da Economia resolveu quebrar o silêncio para contra-atacar as declarações recentes segundo as quais o Estado Brasileiro estaria quebrado. Por meio de seu site oficial, a pasta publicou neste domingo, 11, uma nota em que classifica tais declarações como infundadas e incompatíveis com a realidade.

"Diante da recente série de declarações infundadas sobre o atual cenário econômico, o Ministério da Economia faz os seguintes esclarecimentos: as declarações de que o Estado Brasileiro está quebrado não são compatíveis com a realidade", diz a nota.

De acordo com a pasta, a Dívida Bruta do Governo Geral deverá terminar o ano representando 74% do Produto Interno Bruto (PIB) e o País terá superávit primário de R$ 23,4 bilhões, o primeiro desde 2013. As previsões não chegam a ser novas e já constavam do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas Primárias do 5º Bimestre de 2022, divulgado no fim de novembro.

"Será o primeiro governo que encerra o mandato com endividamento em queda. Em 2018, a relação dívida/PIB chegou a 75,3%. Demais países emergentes e desenvolvidos têm projeções de crescimento de dívida entre 10,6 pontos e 8,5 pontos porcentuais, respectivamente, em comparação com as taxas observadas antes da pandemia", diz a nota, em reforço às falas do ministro Paulo Guedes desde antes da campanha eleitoral.

Outra declaração do ministro que a nota de hoje enfatizou versa sobre governos anteriores, que segundo a pasta, ampliaram a relação dívida/PIB em quase 20 pontos porcentuais do PIB sem enfrentar pandemias ou guerras como a vista no Leste europeu, sem que esses recursos se traduzissem em efetiva melhora na qualidade de vida da população.

A nota segue afirmando que "graças às medidas de suporte aos entes subnacionais durante a pandemia e às ações de política econômica que resultaram em rápida recuperação da atividade no pós-pandemia, Estados e municípios registrarão o segundo ano consecutivo de superávit primário em 2022".

Ainda na relação com os entes federados, as transferências por repartição de receita chegaram a 4,8% do PIB em 2022 - aproximadamente R$ 480 bilhões -, maior patamar da série histórica iniciada em 1997.

"Cabe destacar, também, o resultado das empresas estatais que caminha para fechar 2022 na casa dos R$ 250 bilhões, depois de resultado de R$ 188 bilhões em 2021, contra prejuízos de mais de R$ 30 bilhões em 2015. A atual administração também marca outro fato inédito ao entregar o nível de despesa primária em proporção do PIB em patamar inferior ao do início do governo (18 7% do PIB em 2022 contra 19,5% em 2019)", escreveram os técnicos do ME.

LEIA TAMBÉM: 

Veja os principais desafios dos próximos ministros da Justiça e da Defesa

Haddad deve anunciar secretariado nos próximos dias. Veja quem são os cotados

Quem são os ministros de Lula

Últimas Notícias

Ver mais
Governo contesta no STF leis que facilitam porte de arma no Rio Grande do Sul e no Paraná
Brasil

Governo contesta no STF leis que facilitam porte de arma no Rio Grande do Sul e no Paraná

Há 13 horas

Milei envia ministra ao Brasil para 1ª agenda de trabalho com governo Lula
Mundo

Milei envia ministra ao Brasil para 1ª agenda de trabalho com governo Lula

Há 14 horas

Lula veta trecho sobre visita a parentes na lei que restringe 'saidinha' de presos
Brasil

Lula veta trecho sobre visita a parentes na lei que restringe 'saidinha' de presos

Há 15 horas

STF forma maioria para manter PIS/Cofins sobre locação de bens móveis e imóveis
Brasil

STF forma maioria para manter PIS/Cofins sobre locação de bens móveis e imóveis

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais