Economia

Merkel vê multilateralismo na UE como essencial para enfrentar populistas

Merkel disse que o futuro da Alemanha tem de ser dentro da UE, em resposta a declarações da oposição que defende uma separação análoga ao Brexit

Merkel: "Quanto mais simplificada for a convivência com os britânicos após o divórcio, melhor", afirmou a chanceler sobre o Brexit (Arnd Wiegmann/Reuters)

Merkel: "Quanto mais simplificada for a convivência com os britânicos após o divórcio, melhor", afirmou a chanceler sobre o Brexit (Arnd Wiegmann/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 23 de janeiro de 2019 às 14h40.

São Paulo - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, usou seu discurso no Fórum Econômico Mundial, na cidade suíça de Davos, para fazer uma defesa enfática da cooperação global ao dizer que é "essencial" haver um "compromisso claro" com o multilateralismo. Esse conceito, segundo a democrata-cristã, deve ser usado para fortalecer a União Europeia internamente e se contrapor a movimentos populistas e nacionalistas, que cada vez mais vêm crescendo na região.

O bloco deve "se manter de pé" contra esses grupos, afirmou Merkel. E reforçou que o futuro dos alemães "tem de ser dentro da União Europeia", em resposta a declarações de lideranças do partido Alternativa para a Alemanha (AfD) que este ano passaram a defender uma separação análoga ao Brexit se as reformas que demandam nos campos fiscal e migratório não forem aprovadas em Bruxelas.

Sobre a saída do Reino Unido do bloco em si, a chanceler alegou dedicar todos os seus esforços para ver o Brexit transcorrer de forma ordenada e afirmou que "quanto mais simplificada for a convivência" com os britânicos após o divórcio, "melhor".

Em relação às cisões internas da União Europeia, Merkel reconheceu as dificuldades de encontrar posições comuns para lidar com desafios econômicos, comerciais e políticos representados pelos Estados Unidos ou pela China, mas insistiu ser necessário que os Estados-membros do bloco encontrem esse consenso.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaAngela MerkelBrexitFórum Econômico Mundial

Mais de Economia

Governo e Senado acertam ajustes do PL para substituir MP do PIS/Cofins

Após enchentes, Rio Grande do Sul perde 25% da arrecadação no ICMS

FMI prevê contração de 3,5% da economia argentina, mas menor inflação em 2024

Itaipu inaugura unidade de produção de petróleo sintético com energia limpa

Mais na Exame