Economia

Meirelles defende projeto da PEC do Teto em cadeia nacional

Em cadeia de rádio e televisão nesta quinta-feira, 6, à noite, Meirelles disse ter confiança de que o Congresso aprovará a proposta


	Henrique Meirelles: "O momento exige de todos nós dedicação e esforço para que o Brasil volte a crescer e gerar prosperidade"
 (Paulo Whitaker / Reuters)

Henrique Meirelles: "O momento exige de todos nós dedicação e esforço para que o Brasil volte a crescer e gerar prosperidade" (Paulo Whitaker / Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de outubro de 2016 às 23h31.

Brasília - Para tentar convencer a população a apoiar a criação de um limite para o aumento dos gastos públicos, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, comparou o rombo das contas de R$ 170 bilhões a "um prejuízo" que a gestão Michel Temer teve de assumir e prometeu preservar o dinheiro para saúde e educação.

Em cadeia de rádio e televisão nesta quinta-feira, 6, à noite, Meirelles disse ter confiança de que o Congresso aprovará a proposta e que a mudança evitará que "pobres paguem a conta".

Antes de embarcar para os Estados Unidos para a reunião do Fundo Monetário Internacional, o ministro gravou o pronunciamento de três minutos e explicou de maneira didática a importância da Proposta de Emenda da Constituição (PEC) que limitará o avanço dos gastos.

"O momento exige de todos nós dedicação e esforço para que o Brasil volte a crescer e gerar prosperidade. Não aceitamos mais inflação e desemprego. Porque os mais pobres é que pagam essa conta."

O argumento do ministro é que o descontrole das contas gera problemas reais na vida das pessoas.

O cenário, explicou ele, fez a "inflação sair do controle", "o clima de insegurança tomou conta da economia" e "milhões de pessoas perderam os seus empregos".

Acompanhe tudo sobre:Executivos brasileirosHenrique MeirellesPEC do TetoPersonalidades

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame