Economia

Fundações doam US$ 330 milhões para salvar arte de Detroit

Fundações locais e nacionais se comprometeram com US$ 330 milhões para financiar pensões de aposentados e preservar a coleção de arte da cidade

Mural do artista mexicano Diego Rivera no Detroit Institute of Arts (DIA) (Divulgação/DIA)

Mural do artista mexicano Diego Rivera no Detroit Institute of Arts (DIA) (Divulgação/DIA)

João Pedro Caleiro

João Pedro Caleiro

Publicado em 13 de janeiro de 2014 às 18h29.

São Paulo - Graças à indústria automobilística, Detroit foi uma das principais vitrines do sonho americano nos anos 50.

Desde então, vive uma crise econômica avassaladora que afugentou mais da metade da população e arruinou as finanças públicas da cidade.

Em dezembro do ano passado, Detroit se tornou a maior cidade americana em concordata.

Hoje, o tribunal de mediadores que supervisiona o processo anunciou em uma carta pública que fundações como Ford e Knight se comprometeram com doações de 330 milhões de dólares para um fundo de resgate.

O dinheiro só poderá ser usado com dois objetivos: financiar o sistema de pensão dos funcionários públicos aposentados e permitir a preservação da coleção do Detroit Institute of Arts (DIA).

O DIA tem no seu patrimônio quadros de pintores famososo como Van Gogh, Rembrandt e Matisse.

A casa de leilões Christie's calculou que a cidade conseguiria levantar até US$ 866 milhõescom a venda das obras que são legalmente de sua posse.

As estimativas do rombo na previdência vão de US$ 700 milhões, de acordo com líderes dos aposentados, a US$ 3,5 bilhões, de acordo com o administrador emergencial Kevyn Orr.

Acompanhe tudo sobre:DetroitDoaçõesEstados Unidos (EUA)Países ricos

Mais de Economia

Haddad diz que terá reunião com Pacheco nesta semana para discutir dívida dos estados

Senado aprova novas regras paras os seguros, e texto segue para a Câmara

RS e BNDES negociam parceria estratégica sobre desastres ambientais

Marco dos seguros avança no Senado e segue para o plenário da Casa

Mais na Exame