Economia

Maioria dos brasileiros cortam consumo de carne com inflação

O mais curioso: mais de 90% dos brasileiros dizem que não querem voltar a comer carne como antes

Argentina suspende exportação de carne por 30 dias (Hispanolistic/Getty Images)

Argentina suspende exportação de carne por 30 dias (Hispanolistic/Getty Images)

B

Bloomberg

Publicado em 13 de dezembro de 2022 às 12h34.

O consumo de carne no Brasil, maior exportador mundial de carne bovina e frango, caiu acentuadamente este ano com o aumento dos preços dos alimentos. O mais curioso: mais de 90% dos brasileiros dizem que não querem voltar a comer carne como antes.

Uma enquete do Good Food Institute (GFI) e da empresa de pesquisas Toluna mostrou que 67% dos brasileiros comeram menos proteína animal nos últimos 12 meses do que no ano anterior.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Embora a maioria tenha mencionado preços mais altos como o principal motivo para terem cortado o consumo, mais de um terço disse que a preocupação com a saúde é a principal motivação para uma mudança de hábitos mais duradoura.

O Brasil está entre grandes mercados de carne que reduziram o consumo em meio ao aumento de preços, provocados por custos mais altos de ração e logística, e por oferta doméstica menor diante da disparada de exportações para a Ásia. Preços mais altos também afetaram as vendas de carne bovina na Argentina e nos EUA, que junto com o Brasil são os maiores consumidores de carne vermelha.

Um em cada três brasileiros que estão reduzindo o consumo de carne adotou a carne à base de vegetais como substituto, ante 25% no ano anterior. Esses produtos são mais populares entre consumidores que cortaram a carne da dieta por questões de saúde, mas também são escolhidos por aqueles motivados pela inflação de alimentos, disse o GFI.

Apenas 7% dos brasileiros disseram que querem comer mais carne no ano que vem. No grupo que já compra menos proteína animal, 93% disseram que pretendem manter a dieta atual ou reduzir ainda mais a carne.

“Não há uma ansiedade imediato por aumentar o consumo de carne”, disse o instituto, mencionando uma perspectiva promissora para substitutos de carne à base de plantas no Brasil. “Quem restringe o consumo de carne embarca em uma jornada para cortá-la ainda mais.”

LEIA TAMBÉM: 

Acompanhe tudo sobre:Carnes e derivadosConsumoeconomia-brasileiraInflação

Mais de Economia

Ata do Copom: cenário de inflação mais desafiador exige juros altos por mais tempo

Ata do Copom deve trazer mais detalhes sobre consenso para interromper corte de juros

Repasses federais ao RS poderão ser consultados na internet

Argentina entra em recessão técnica após PIB cair 5,1% em meio a medidas de Milei

Mais na Exame