Economia

Governo deve lançar programa para compra de ônibus elétricos com recursos do Fundo Clima

Segundo José Luis Gordon, diretor de Desenvolvimento Produtivo, Inovação e Comércio Exterior do BNDES, programa também deve fomentar a criação de uma indústria de baterias elétricas no Brasil

José Luis Gordon: programa para financiar ônibus elétricos no Brasil pode fomentar criaçãpo de indústria de baterias no país  (Leandro Fonseca/Bvlgari)

José Luis Gordon: programa para financiar ônibus elétricos no Brasil pode fomentar criaçãpo de indústria de baterias no país (Leandro Fonseca/Bvlgari)

Publicado em 8 de março de 2024 às 11h47.

Última atualização em 8 de março de 2024 às 13h31.

yt thumbnail

O diretor de Desenvolvimento Produtivo, Inovação e Comércio Exterior do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), José Luis Gordon, afirmou à EXAME, em entrevista exclusiva ao programa Macro em Pauta, que o governo estuda e deve lançar ainda neste ano um programa nacional para estimular a venda de ônibus elétricos para substituir a frota atual e reduzir a emissão de carbono no país.

Os recursos para financiar essas operações devem ser ter origem no Fundo Clima, que possui R$ 10 bilhões de carteira, e recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Gordon ainda afirmou que esse programa governamental também tem potencial para incentivar o desenvolvimento da indústria de baterias elétricas no Brasil. 

"O governo federal fez um mapa do que tem [de demanda por ônibus elétricos no país].O presidente Lula deve anunciar um grande programa voltado para ônibus elétricos. E eu enxergo que isso há potencial para, por exemplo, desenvolver baterias no Brasil. Já existem empresas que montam baterias no Brasil. Mas a célula, que é o mais importante, vamos conseguir desenvolver no Brasil. Isso nos coloca em outro patamar", disse.

Ônibus elétricos em São Paulo

Gordon também relembrou o início do processo para o financiamento de ônibus elétricos no Brasil ganhou força a partir de uma operação estruturada para o município de São Paulo. Como mostrou a EXAME, o BNDES aprovou em outubro de 2023 o financiamento de R$ 2,5 bilhões para a aquisição de ônibus elétricos pela capital paulista.

Com esse valor, podem ser comprados entre 1.000 e 1.300 ônibus movidos exclusivamente a bateria. A quantidade pode viabilizar a substituição de 10% da frota atual da capital, de 13.000 veículos. A expectativa dessa iniciativa é evitar a emissão de aproximadamente 63.000 toneladas de CO2 equivalente/ano na atmosfera da cidade.

"Essa foi uma operação muito interessante que o município fez. O ônibus elétrico é algo em torno de três vezes mais caro que o ônibus tradicional. A diferença [de valor] entre o ônibus elétrico e o tradicional, a prefeitura subvencionou, colocou o dinheiro. O restante do valor foi pago com financiamento. Nesse caso, o BNDES financiou via Finame. Essa linha tem normas de conteúdo nacional, que fortalece a indústria nacional. Esse é um instrumento inovador feito pelo BNDES e pela prefeitura de São Paulo. O banco saiu na frente. Temos visto que isso está crescendo", disse.

Acompanhe tudo sobre:BNDESÔnibusCréditoEnergia renovável

Mais de Economia

Às vésperas de assumir Petrobras, Magda já se reúne na empresa para avaliar cenário

Lula sinaliza possibilidade de vetar projeto de taxação de compras na Shein e AliExpress

Não há problema em divisão do Copom, diz Diogo Guillen

BC libera novo estoque limitado de moeda comemorativa de R$ 5; veja fotos e como comprar

Mais na Exame