Economia

Líderes afirmam que taxação de compras de até US$ 50 retorna à Câmara semana que vem

Parlamentares afirmam que tema é prioridade do presidente Arthur Lira (PP-AL)

Plenário da Câmara dos Deputados (DF) (Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados/Agência Câmara)

Plenário da Câmara dos Deputados (DF) (Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados/Agência Câmara)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 6 de junho de 2024 às 19h41.

A Câmara dos Deputados deve pautar entre a próxima terça ou quarta-feira a proposta que cria o Imposto de Importação de 20% para compras no exterior de até US$ 50 (cerca de R$ 250 pela cotação atual) por pessoas físicas. A matéria volta para análise dos deputados depois de ter sido aprovada pelo Senado.

A proposta está no mesmo projeto de lei que cria o Mover, de incentivos fiscais para a indústria automobilística. Inicialmente, o tributo havia sido aprovado na Câmara na semana passada, mas foi rejeitado pelo relator no Senado, Rodrigo Cunha (Podemos-AL). Para contornar a situação, o governo e partidos aliados conseguiram a aprovação por meio de um destaque em plenário, quando a votação ocorre separadamente do relatório principal.

– Acho que vai ser matéria prioritária semana que vem – disse Isnaldo Bulhões (MDB-AL)

O pedido de inclusão do destaque foi assinado pelos líderes do MDB, PSD, PT e do governo. Além do Imposto de Importação federal, produtos importados possuem uma taxa de 17% de ICMS.

– Vai na próxima semana – afirmou Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ)

A retirada da taxação pelo relator colocou a aprovação do projeto em xeque, por contrariar o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que defendeu a aprovação do projeto como definido pelos deputados e cobrou cumprimento de acordos políticos.

– É uma prioridade das lideranças – disse Alex Manente (Cidadania-SP)

Acompanhe tudo sobre:ImpostosGoverno Lula

Mais de Economia

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Lula reclama de decisão do Banco Central sobre taxa de juros: ‘Uma pena que manteve’

Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Plano Real, 30 anos: dinheiro ainda é base de transações, mas 41% dos brasileiros preferem Pix

Mais na Exame