Economia

Libra, óleo e UE: a esperança vai vencer o medo na Escócia?

Votos contra e a favor estão praticamente empatados, mas ninguém sabe ao certo o que vai acontecer em caso de secessão - a começar pela moeda do país

Cavaleiras Carol Bartley (dir.) e Rachel Grant (esq.) antes de corrida em Edinburgo, na Escócia (Simon Dawson/Bloomberg)

Cavaleiras Carol Bartley (dir.) e Rachel Grant (esq.) antes de corrida em Edinburgo, na Escócia (Simon Dawson/Bloomberg)

João Pedro Caleiro

João Pedro Caleiro

Publicado em 17 de setembro de 2014 às 09h41.

São Paulo – “Tenham medo, tenham muito medo”.

O alerta foi dado pelo vencedor do Nobel Paul Krugman aos escoceses, que vão às urnas nesta quinta-feira para decidir se o país deve ou não se separar do Reino Unido (e disparar uma série de mudanças).

Quando o artigo foi publicado, na semana passada, o voto pela secessão estava ganhando. Desde então, o placar se reverteu, mas continua praticamente empatado.

Krugman diz que se teve algo que a crise do euro provou, é que não existe nada pior do que ter moeda comum sem união fiscal nem bancária.

Libra

Mas na verdade, o Reino Unido já avisou que a Escócia não vai poder manter a libra esterlina e que uma união monetária “é incompatível com soberania”, nas palavras de Mark Carney, presidente do banco central inglês.

No primeiro debate televisionado entre os dois lados da campanha em agosto, o ex-chanceler e deputado Alistair Darling questionou duramente o primeiro-ministro escocês Alex Salmond por “não ter plano B” caso tivesse que abrir mão da libra.

Desde então, Alex já apresentou alternativas (e se recuperou no segundo debate) mas o episódio simbolizou o calcanhar-de-aquiles do voto “sim”: a incerteza. Ninguém sabe qual seria a moeda do país, se ele seria ou não parte da União Europeia ou mesmo se ele poderia participar das próximas Olimpíadas - e não interessa à Inglaterra clarificar estas questões antes do voto.

Os mercados sinalizaram sua preferência como de costume, derrubando a libra e o mercado de ações toda vez que a secessão ganha espaço, e a fuga de capital atingiu níveis não vistos desde a crise financeira de 2008.

Relatórios do Deutsche Bank, UBS e Credit Suisse preveem uma recessão profunda na Escócia com a vitória do "Sim". O Royal Bank of Scotland já avisou que deixaria o país onde está desde 1727 em direção a Londres caso o “sim” vença, discurso que também foi adotado por outros grandes bancos e empresas. 

Petróleo

BP e Shell também se manifestaram pelo "não", o que não surpreende considerando que elas são as grandes exploradoras dos abundantes recursos do Mar do Norte escocês, onde fica mais de 90% do petróleo do atual Reino Unido.

Estes recursos são, aliás, o grande argumento econômico a favor do “sim”, já que as estimativas calculam que há algo entre 60 e 120 bilhões de libras em receitas de impostos do óleo a serem exploradas até 2040.

Este valor nada desprezível vai hoje na maior parte para a Inglaterra e isso incomoda os escoceses, que pretendem se inspirar no modelo da Noruega para criar um fundo soberano que chegaria a 30 bilhões de libras 'em uma geração', segundo a campanha.

Mas a própria variação entre as estimativas mostra que a Escócia não pode depender demais disso para seu futuro, já que há evidências de que as reservas já estão diminuindo ou podem não ser totalmente aproveitáveis.

Além do petróleo, a economia escocesa tem outros pontos fortes como o turismo e a indústria de bebidas, que gera 3 bilhões de libras por ano e é campeã mundial em marcas poderosas como Ballantines, Johnnie Walker e Chivas Regal.

Custos

Mas o novo país viria não só com novas receitas, mas novas despesas também – entra elas a criação de toda uma nova burocracia estatal.

A Escócia também teria que absorver a parte da dívida britânica correspondente à sua população e achar no mínimo 34 bilhões de libras para complementar os 16 bilhões que sobrariam nas suas reservas. Só assim ela poderia garantir o tamanho e força mínimos para sustentar ou resgatar, em caso de crise, seu importante sistema financeiro.

A nova nação já nasceria com déficit orçamentário e dívida alta em relação ao PIB - as mesmas características do Reino Unido, diga-se de passagem, porém sem a sua escala e confiança adquirida.

Como os escoceses tendem a uma atitude fiscal menos rígida do que os ingleses - inclusive um dos fatores de descontamento que levaram ao referendo - uma primeira tarefa seria a de ganhar credibilidade rapidamente para não se tornar presa fácil de especuladores.

Listas extensas de apoio de executivos já foram divulgadas do lado do "Sim" e do "Não" (além de celebridades, como mostra a galeria abaixo). No Independent, o autor Dominic Frisby afirma que a Escócia tem tudo para ser um dos países mais ricos do planeta e já largaria na 14ª posição em PIB per capita.

Para a Economist, a população escocesa é mais velha, menos saudável e menos produtiva que a média britânica – ou seja, o novo país seria “rico, mas com péssimas perspectivas”. Se o debate intenso das últimas semanas e as novas concessões já oferecidas pelos ingleses forem qualquer indicativo, uma coisa é certa: com ou sem secessão, o Reino Unido nunca mais será o mesmo.

Acompanhe tudo sobre:CâmbioEnergiaEscóciaEuropaInglaterraLibra esterlinaPaíses ricosPetróleoPlebiscitoReino UnidoRoyal Bank of Scotland

Mais de Economia

Mercadante diz que votação de LCD no Senado deve ficar para próxima semana por causa do feriado

Haddad diz que debate sobre taxação de compras internacionais está 'polarizado'

Haddad levanta possibilidade de apresentar MP de compensação da desoneração na próxima semana

Temporada de resultados nos EUA: o que explica o otimismo do mercado?

Mais na Exame