Economia

Japão pede a empresas que aumentem salários

Governo discute a extensão e o período de um possível corte de impostos


	Operário trabalha na autoindústria de Tóquio: governo japonês está pedindo que companhias lucrativas aumentem salários
 (Kiyoshi Ota/Bloomberg)

Operário trabalha na autoindústria de Tóquio: governo japonês está pedindo que companhias lucrativas aumentem salários (Kiyoshi Ota/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de setembro de 2013 às 12h55.

Tóquio - O governo japonês está pedindo que companhias lucrativas aumentem salários e paguem mais a empreiteiros para que a economia possa ganhar fôlego, afirmou neste domingo o ministro da Economia, Akira Amari.

"Estamos pedindo às companhias que estão ganhando dinheiro que não fiquem com isso guardado, mas que gastem para que a economia entre num ciclo virtuoso", declarou Amari num programa de televisão. De acordo com ele, o governo promoverá um encontro com trabalhadores e representantes de empresas ainda esta semana para discutir os rumos da economia.

Amari disse ainda que o governo discute a extensão e o período de um possível corte de impostos. Ele não deu mais detalhes. Economistas vem alertando que o Japão pode experimentar um retrocesso caso haja elevação de impostos sobre consumo, como é esperado.

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe decidiu prosseguir com um plano de elevação do imposto de 5% sobre vendas para 8% em abril de 2014, de acordo com fontes com conhecimento do assunto. A arrecadação extra será usada para ajudar a pagar as crescentes despesas com previdência.

Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro encaminhou um pacote de estímulo que pode injetar um total de US$ 50 bilhões na economia para compensar o impacto da alta de impostos, ainda segundo as fontes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaEmpresas privadasJapãoPaíses ricosSalários

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Edmar Bacha e o papelzinho azul que deu origem à nova moeda

Plano Real, 30 anos: "URV, POR QUE ESSE PLANO É MELHOR QUE TODOS OS ANTERIORES?"

Plano Real, 30 anos: a reforma das reformas — e o futuro da moeda no Brasil

Mais na Exame